quarta-feira, março 28, 2007

Shut Him Up!

Desde pequeno, ouvi primeiro pela boca de meu bisavô, o falecido Américo, escuto a frase: Falar é prata, calar é ouro! É claro que custei a perceber o significado das palavras. Problema de entendimento, já que como tantos brasileirinhos nasci analfabeto. Dizem que eu era muito chato. Contentava-me facilmente com o metal de menor valor, matraqueando sem cansar. Insistia nas perguntas, repetia a ladainha sem fim, até que alguém conseguisse me convencer dos muitos significados que as falas tinham. Era, enfim, um menino falastrão.
Com o tempo, que é o preço que pagamos para amadurecer, fui percebendo o valor da sintaxe. Estudando, lendo e, principalmente, levando algumas broncas e até tapas de meu pai, fui ficando mais íntimo de nosso idioma. Quando embatucava, e insistia no erro por muito tempo, acabava sendo convencido por métodos nem sempre muito ortodoxos. Foi o caso da palavra "trouxe". Eu dizia sempre "truxe", com "u". O velho corrigia: É trouxe, meu filho! Passava uns dias e a pequena mula repetia: Pai, eu "truxe" a caderneta! Ouvia um suspiro resignado, percebia um franzir de testa e um olhar triste: É trouxe, meu filho! Lá pela quarta ou quinta vez, apelando para a eficiente educação nordestina, Seu Ricardo sapecava-me um tapão na orelha e dava a derradeira explicação, a que ficava gravada para sempre na memória: É trouxe, meu filho!
Rapidamente entendi que eu nunca, jamais, em tempo algum, deveria sequer insinuar a máxima: Pra "mim" fazer. Nesse caso a paciência foi menor.
Talvez por isso tenha tanta dificuldade em ver gente falando errado. Concordância, regência dos verbos, uso adeqüado dos pronomes, são valores que me foram incutidos desde muito cedo, e que prezo.
Hoje pela manhã ouvi pelo rádio nosso presidente falando. É incrível como depois de tantos anos ainda me sinto envergonhado ao escutar os disparates. Não sei porque. Nele não votei, não sou de seu partido, nada temos em comum. Só que como presidente desse pequeno país ele me representa. Talvez seja por aí. Falava sobre as coisas que faria e aconteceria para acabar com o problema do apagão aéreo. Concluiu dizendo: Agora é prioridade zero! Por que não lhe calam a boca, teremos que aceitar até erro de lógica?

18 comentários:

valter ferraz disse...

Querido Lord, não seja tão rigoroso com nosso amado apedeuta-prefidente, afinal ele afirmou que a sua(dele lá)mãe nasceu analfabeta. Veja quanta coincidência.
Pacumeçá a gente temos que ter tolerância(não zero) com quem tem pobrema de diquição. E o velho seo Ricardo estava corretíssimo nos métodos, afinal a palmatória não foi inventada à tôa, não?
Um grande abrasso
(ops!)osmose!

Lord Broken Pottery disse...

Valter,
O problema é esse, a gente acaba se acostumando a falar errado. Imagine a garotada no futuro.
Abração

Sibila disse...

Putz, eu sou super-tagarela. Só ñ acho q esse seja o meu maior defeito pq antes dele há uma renca. Bom... continuando: cara, o FHC num é um homem da Sorbonne (e da Soberba, e isso ñ exatamente por conta da famosa Universidade) e não dizia um monte de merda, fora de contexto, oca, absurda? A sintaxe? Perfeita. Me incomodo um pouco com o falar errado, sim, (e isso mais comigo mesma ou dentre os jornalistas e universitários), mas tendo a optar pelo conteúdo, pelo contexto, achando q dessa mistura resulta um significado. O Lula pode estar proferindo coisas vazias, mas não por falta de sintaxe (q realmente tem). Como não foi por falta de sintaxe q tantos presidentes presidiram o Brasil. PS: Bem decepcionada, mas ainda acho o Gov Lula ( c/ o Lula s/ sintaxe)+ consistente e reformador q os anteriores. Beijos delicados.

valter ferraz disse...

Lord, agora vai. Com a Sibila por perto, com certeza o debate vai esquentar.
Nossas diferenças começam pelas escolhas, mas enfim ela é adorável e muito clara nas suas opiniões. Discordar assim é uma beleza!
Guenta o tranco aí.

Mani disse...

E eu ainda fico brigando com minhas filhas, consertando...

Eduardo P.L. disse...

Lord, é bem isso. Até quando? Abçs

peri s.c. disse...

Concordo plenamente : prioridade zero ! Principalmente contra o papo furado, as conversas para boi dormir, os cerca-lourenços, a manipulação, as meias-verdades, o ilusionismo, as malandragens presidenciais.

Lord Broken Pottery disse...

Sibila,
Discordamos amigavelmente. O Fernando Henrique paga o preço de ser a outra face da moeda. O que ele tem de bem preparado, o Lula tem de mal. Em um país deseducado não pega bem.
No que esse governo é melhor do que o anterior? Ganha em número de escândalos. Você conhece algum ministro eleito por critério de competência? A política assistencialista é que elegeu o atual presidente, numa clara chantagem eleitoreira. O Lula deveria ser execrado por quem o elegeu. Traiu toda a esquerda. Tem a base aliada mais corrupta e direitista que já se viu.
Beijão

Valter,
Adoro debater. A Sibila sabe colocar-se.
Abraço

Mani,
Não desanime. As filhas de suas filhas, se o mundo não ferver antes, usufruirão dos seus ensinamentos.
Beijão

Eduardo,
Até o povo aprender a votar. Ainda estamos aprendendo. Democracia é assim, exige paciência.
Abraço

Peri,
A tal prioridade zero, erro de quem fala decorando as frases, e queria dizer tolerância zero, deveria ser, como você bem disse, para as proprias malandragens palacianas.
Abração

peri s.c. disse...

O exemplo vem de cima.
O governo federal é um grande cenário de malandragens pessoais, políticas e institucionais . Aqueles que estão e/ou sempre estiveram perto do poder, portanto é muito bem vividos dos meandros de seu exercício, rapidamente perceberam, já no primeiro mandato, qual seria o tom da nova música presidencial. Brasília baila no ritmo palaciano. E não é mais um baile de máscaras.

O Meu Jeito de Ser disse...

Lord, meu amigo, não desanime a Mani.
Vale a pena corrigir sim, os meus filhos sempre falaram corretamente, o meu neto desde muito pequenino fala tudo certinho, por isso vale corrigir, como seu pai fez contigo. Mesmo com safanões, mas valeu, hoje não tem paciência com quem fala errado.
Eu não sei nada de concordância, e regras gramaticais em geral, não sei porquê minha cabeçinha fez questão de esquecer tudo, agora não dá para sentir vergonha de conversar com as pessoas.
As vêzes algum erro na escrita, mas nada tão absurdo.
Um abraço.
Livros e leituras em geral apavora os meninos de hoje, não?

Lord Broken Pottery disse...

Peri,
É isso, o exemplo vem de cima, e nos atinge. Fica um travo difícil de esquecer, um gosto acre. O baile é mesmo sem máscaras. São João logo estará aí. Será que conseguiremos convite pra festa no arraial do Lula?
Abraço

Aninha,
Pelo contrário, talvez não tenha me explicado direito. Acho, sim, que não podemos desanimar, temos que insistir na correção de nossas crianças, zelar para que aprendam a falar direito. É o mínimo que podemos fazer pela educação delas. Vejo muitas crianças lendo hoje em dia. Talvez isso de que não lêem seja mais lenda do que fato. Toamara...
Beijão

Sibila disse...

Oi Lord, acho q vai ficar um pouco gde e talvez esteja um pouco chato. Vamo lá. Acho q o gov Lula teve + escândalos sim e isso pq um escândalo pra se configurar como tal, precisa ser divulgado, alardeado, senão ñ é escândalo. Se no gov Lula tivemos mensalão, tráfico de influência, desvios dos fundos de pensão (?) e outros q agora ñ me lemvro bem; no gov FHC, tivemos igulamente tráfico de influ~encia, caso Eduardo Jorge, do beneficia/to de certos banqueiros qdo da desvalirização da moeda, compra escancarada de votos p/ a reeleição (até então incosntitucional), escândalo do SIVAM e tem gente q questiona a lisura e o real benefício da privatização da telebrás, de Furnas etc. Tenho cá pra mim q se apurados direitinho os escândalos num e noutro gov, o volume de $ tramitado indevida/te foi imensa/te maior no gov FHC do q no atual. Tb acho q o êxito do comércio exterior do gov Lula algo espetalular e algo q ñ se deu só por causa do boom do merc. internacional. Exportações do BR 2002-06 (22,6%), média das exportações mundial (13,9%). No gov FHC esse quesito ficou na base de (- 1%). Houve uma ampliação dos destinos da prod. de exportação 40,8% p/ África; 55,2% p/ E. Oriental e 29,1 % p/ Am. Latina, e isso só em 2005. As exportações ñ se basearam apenas em commodities agrícolas e minerais, mas de produção tecnológica (cresci/to de 40%). Dentre esse tipo de produção, as de média/alta intensi// tecnológica tiveram creci/to de 30%. O bolsa família é controverso mesmo, mas q proporciona um mínimo de cidadania e inserção social, acho q sim. E tb. devido a essa iniciativa, nos ( q bordão) "rincões" do Pais, houve um aumento do consumo de bens e uma ativação nas econ. locais.
Mas acho real/te PÉSSIMO o pouco caso c/ a educação, a questão indígena, o fraco desempenho na área do meio-ambiente, as altas taxas de juros ... e sobretudo, esse obseceno toma lá da cá, e conchavos c/ grupos "atrazados" - o q infelizmente ocorreu em ambos os gov. Urgh! Ufa, terminei - é duro escrever tudo isso, aí q dor de estômago. Bjs democráticos.

Sibila disse...

Agora q vi q tá cheio de errinhos. Por favor desconsidere-os. Mas percebi um errão, esse de conteúdo: a média do volume de exportações no gov FHC girou em menos de 1% e não menos 1%. BJ.

Lord Broken Pottery disse...

Sibila,
Embora adore escrever, tenha alguns livros publicados, estudei Matemática, formei-me na PUC. Por isso mesmo desconfio de estatísticas, de números, as coisas mais fáceis de se manipular. Acabamos de ver que, graças à mudança de metodologia nos cálculos feitos pelo IBGE, nosso crescimento, para alegria do governo Lula, saltou de 2,7% para 3,4% ao ano. Você não me verá usar números para justificar nada.
Considero o governo FHC, junto com o de JK, os dois melhores governos que tivemos. O que o Brasil mudou com FHC, nunca tinha acontecido. O que acho mais engraçado é que o PT não consegue provar a competência do governo Lula sem diminuir FHC. E sempre na base do: sou, mas quem não é?
Beijão

Sibila disse...

Ô Lord, tb ñ gosto de análises pautadas por estatíticas pura e simplesmente; acho q pq parece fazer sumir a vida em sua diversidade e riqueza (gde problema dos sociólogos, pelo menos anos atrás). Mas Lord, fazê quê? Não apreendemos mto do q rola Brasil adentro e mundo afora por intermédio das mídias... essas nem sempre tão isentas assim (aliás ñ acredito nisso, embora creie em boa intenção, naquilo de tentar mostrar os diversos lados de 1 questão, mas infelizmente - ou felizmente - isentos ñ somos, pq somos limitados). dos conteúdos q nos são disponibilizados dia-a-dia de maneira extremamente rasa! Então, de qqr forma temos q nos contentar em nos pautar pelos textos do jornalismo diário a q temos acesso. Esses dados q trouxe realmente foram para dar legitimidade a minha opinião. Achei-os muito sensatos. Acho mesmo q o gov Lula, apesar de todas as mazelas, está sendo melhor do q o de FHC, pelo q expus, e por algo + q ñ dá pra escrever aqui senão isso vira um tratado e mto do chato. Mas, cara, respeito a sua visão. Em suma: ñ acho q o fato do Lula ter problemas evidentes c/ o manejo da língua, o torna menos capacitado para conduzir o país e as reformas de q tanto necessitamos. Mas confesso q ele ñ está atualmente tão comprometido assim c/ isso - ou pq ñ tem força política o bte (mesmo caso de FHC) ou ... será? pq optou deliberada/te por outro caminho (de mesmo modo q FH?). Bj.

Lord Broken Pottery disse...

Sibila,
Não sei responder as suas perguntas. Existe um ditado que diz que gosto não se discute. Está errado. É o que mais se discute. Gostar de aluém é questão de empatia, de mistérios que não conseguimos traduzir adeqüadamente. Você não gosta do FHC, eu não gosto do Lula e, ainda bem, a gente se respeita e se gosta.
Beijão

Sibila disse...

Assim querendo não ser boa moça demais - mas já intuindo o resultado - o legal é realmente ouvir e crescer com o argumento, a visão do outro, não? Sei lá acho q as diferenças são sempre conversáveis (confesso q me irrito mto c/ casos extremos; a intolerãncia atroz e fico chateada qdo me pego nessa tão irritada q fico) Uma metáfora: o casamento. Se ñ há espaço pras diferenças, o casamento tá desfeito; o casamento social, de uma comunidade global, sabe essa linguagem figurada? Beijo e viva a diferença! Meio piegas isso tudo, não? Sei lá: O que fez Men de Sá? R. Fez o que põde. (Ahahah, lembrando o Guga!).

Lord Broken Pottery disse...

Sibila,
Concordo. É na diversidade que enriquecemos.
Beijo