sexta-feira, novembro 03, 2006

Misunderstanding

Hoje recebi mensagem eletrônica de uma prima. Sempre me perguntei como nascem as piadas. Imagina-se que venham do cotidiano. Da observação dele, das coisas engraçadas que acontecem de fato, e depois são repetidas. Nunca tinha, porém, visto comprovada tão claramente essa tese. Os humoristas, com certeza, são pessoas muito atentas ao mundo em que vivem. Retiram, com muita sabedoria, dos fatos corriqueiros o material do seu trabalho. Observem abaixo se não tenho razão:
Querido primo Lord,
Lendo a piada que recebemos, a do mineirinho que transou com a americana, aquela que quando pedia "Once more", ele respondia "Bel'Zonte", me lembrei de um fato acontecido de verdade com um amigo meu. Ele é um excelente arqueólogo, com livros traduzidos no exterior e presença em congressos internacionais, mas é um caipirão, desses legítimos, não de Bel'Zonte, de Goiânia. Na sua primeira experiência vivendo no exterior, foi para Washington com mulher e filha, estudar numa instituição prestigiada. Lá nos encontramos. Ele não falava quase nada de inglês, morria de medo de tudo, andava agarradinho na rua com a mulher e a filha, os três formando uma espécie de bolinho de gente. Um dia, nos contou: "Sabem? Sempre que eu entrava no elevador da escola, achava que a ascensorista, uma negona alta e gorda, tava me dando bola. Ela toda vez me dizia assim: Oi, flor! Até que, vários dias depois, percebi que na verdade ela estava me perguntando: What floor?".

2 comentários:

Lady Lia disse...

Sir,

Very punny.

Lady Lia

Lord Broken Pottery disse...

Dear Lady,

And funny.

Kisses