sábado, abril 21, 2007

Smile

Todo dia ele passa cambaleando. Segue rindo, tropeçando nas próprias pernas. Para, estufa o peito, respira fundo e continua. Às vezes cai na gargalhada. Fala com todo mundo como se fosse íntimo. O rosto escalavrado. Inchaços, manchas roxas, as bochechas rosadas. Já o vi, em mais de uma oportunidade, com o braço na tipóia. Judiado. E então se atrapalha, parece que esquece o caminho, curva o corpo todo para a direita, surfando uma onda imaginária, endireita-se para a esquerda, retomando o equilíbrio precário, resmunga alguma coisa. Manhãzinha, fim de tarde, parece estar sempre voltando. Sujo, razoavelmente vestido. Rindo, rindo muito.
Quem vê aquele sujeito trôpego, ri com ele. E gritam, aconselham do outro lado da calçada:
- Vai pra casa, Givanildo, é tarde!
E ele rindo, rindo muito.
- Você não toma jeito, Givanildo!
E ele rindo, rindo mais.
- Toma é cachaça!
E ele então cai na gargalhada, endireitando o corpo, segurando a barriga.
Quando dou por mim estou me divertindo também, achando graça. De repente meu sorriso congela no rosto, amarela. Cantarolo a música de Charles Chaplin:

Sorri,
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios
Sorri,
Quanto tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador, sorri
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos
Sorri,
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

19 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Lord, o duro é fazer a declaração de IR e ainda sair rindo, para que os outros achem que somos felizes!Abçs e bom domingo.

adelaide amorim disse...

Há pessoas que precisam adotar uma figura de palhaço para conseguir viver. É triste, com certeza. A canção de Chaplin foi feita para esse lado palhaço que, afinal, todo mundo tem, mesmo que não revele. abraço, Lord.

O Meu Jeito de Ser disse...

As pessoas no geral têm um bebêdo para contar a história.
|São pessoas que muitas vezes sentimos piedade, mas que não deixa de ser o palhaço necessário.
"Quem vê as pingas que bebo, não sabe dos tombos que levo"
Célebre frase, para justificar qualquer bebedeira.
Um bom domingo, porque sei que não vai precisar se equilibrar, já que não mais faz parte dos "bebuns"
Um beijo

valter ferraz disse...

Lord, aposto uma cerveja como o Givanildo era um mecânico de refrigeração que um dia sonhou em ser empresário. Bom, o resto vc já leu lá no perplexo.
Está cheio de Givanildos por aí.
E Valter então? Um monte deles.
Abraço grande

denise disse...

Lord, a arte imita a vida...
abraço, garoto

Vivien disse...

Lord,sempre acho deprê histórias de bêbados e chapação em geral. Algumas mais sérias e deprimentes,outras ridículas, mas todas muito tristes.

Lord Broken Pottery disse...

Eduardo,
Quem foi que disse que saí rindo? Quase chorei...
Abraço

Adelaide,
Seja benvinda! Passo lá no Papo de Botequim para retribuir o carinho.
Beijo

Aninha,
Obrigado. Realmente recuperei, faz tempo, o equilíbrio. Pelo menos o alcoólico.
Beijão

Valter,
Será? Não daria para apostar um guaraná, por exemplo?
Abração

Denise,
Concordo, e como imita...
Beijão

Vivien,
Por isso é que dão boas histórias. Bêbados e chapados são cheios de contradições.
Beijo

anna disse...

já viu o djavan cantando essa música? faz picadinho do coração.

GUGA ALAYON disse...

metetílicalinguagem

Lord Broken Pottery disse...

Anna,
A música é realmente linda.
Beijo

Guga,
Você está criando palavras melhor que o Guimarães Rosa.
Abraço

Meg disse...

Lord,
finalmente achei seu post no meu bloguito, mas vítima do excesso de zelo do AntiSpam, eu só o pude ver agora.
Fiquei feliz, e agradeço, orgulhosamente.

====
Quanto a este post a música de Chaplin (não fora ele o eterno palhaço a mostrar para todos esse lado que a Adelaide ebm diz, todos termos) fico sem saber se ela é parte da narração ou asua ilustraçl
ão.
Dói na alma, nada se pode fazer e muitas vezes, sim, eu acredito sim que possamos enconder muitas coisas, muitas dores atrás de um sorriso.
Muito obrigado e um forte abraço
Magnificamente bem escrito!
Meg

Ery disse...

Aproveitando a lembrança deste palhaço que existe dentro de cada ser humano é oportuno lembrar que ele é mais sério do que se possa imaginar. Gostei do post. Faz refletir muito. Abraço grande Lord.

Lord Broken Pottery disse...

Meg,
Obrigado pelos elogios. A lembrança da música é ilustração mas faz parte do contexto, essa coisa de rirmos do trágico às vezes me pega.
Beijão

Ery,
Também acho, você pegou exatamente o que eu queria dizer.
Grande abraço

Mani disse...

Cada manco com sua muleta, e todos seguimos nos equilibrando...

Lord Broken Pottery disse...

Mani,
Equilíbrio precário mas possível.
Beijo

Serbão disse...

outra música - "O Bêbado e a Equilibrista" . com Elis Regina, sempre.

Lord Broken Pottery disse...

Serbão,
Elis, Henfil, o irmão do Henfil, toda gente que partiu, só podia dar música boa.
Abração

Mário disse...

Gostei de ter lido este post. As pessoas nem sempre fazem o que fazem por quererem faze-lo. E esse post transmite a emoção que te pegou como testemunha ocular da história de vida de alguém.

Lord Broken Pottery disse...

Mário,
Seja benvindo. É exatamente isso. Escrever é observar e sentir o mundo em volta.
Abração