terça-feira, maio 15, 2007

Killing Two Birds With One Stone

Outro dia ouvi um comentário impressionante. Minha irmã disse:
- Sou muito grata ao Harry Potter. Graças a ele, a Joana tomou gosto e passou a ler sem parar. Além disso, como não tem paciência de esperar a tradução brasileira, está lendo em inglês, evoluindo muito no idioma. O próximo volume, o último, já está encomendado.
Joana é minha sobrinha e tem doze anos. Não sei se já comentei aqui, mas sou fã assumido do bruxinho. Li os dois primeiros volumes por acaso. Ganhei de presente na Inglaterra, de professora amiga nossa, antes que virasse sucesso. Ela tinha lido e considerou que, por escrever para crianças e adolescentes, eu gostaria. Acertou na mosca.
J.K. Rowlling merece toda a fortuna alcançada e muito mais. Nos dias de hoje, existir alguém com o poder de afastar os meninos algum tempo, de todas as atrações eletrônicas idiotas, fazendo-os apaixonados por heróis impressos, é fato mágico. A escritora escocesa, não me interessa se produzindo literatura ou não, criou universo especial. Invejo a capacidade imaginativa quase delirante dela. Chego a me assustar com a força inventiva demonstrada. E eu, devorador contumaz de Monteiro Lobato quando criança, comemoro a existência de uma autora atual cumpridora do mesmo papel. O meu livro, o sétimo, também já está comprado.

28 comentários:

valter ferraz disse...

Lord, fico em dúvida. Seria a força do texto/maneira de se contar as estórias que faz um autor ser lido, muito lido até transformar-se em fenômeno editorial ou seria a força muito muito forte de um marketing profissional. Se J.R.Rowlling tivesse editado sua primeira estória aqui no Brasil o sucesso seria tão grande?
Agora, se serve para aproximar leitores dos livros, nada contra. Aliás tudo à favor mesmo. Parece que na Europa ou tb nos EUA os escritores levam mais a sério o negócio de escrever livros, são escritores profissionais. Os editores também profissionais farejam uma fórmula e depois de testada e aprovada, descarregam com força seus orçamentos nelas fazendo com que se tornem sucessos de público.
Gostaria ainda de conversar a respeito.
Um abraço forte

Vivien disse...

Lord, eu comecei lendo Harry Potter para o Daniel, quando ele ainda era pequeno. Acabei ficando leitora dela, acho que conseguiu criar um universo interessante, com uma lógica própria, personagens bem feitos e narrativa deliciosa. Leio e gosto. Mas creio que no Brasil, muitas vezes, vender bem um livro pode "depor" contra o autor, como se , de alguma forma, ser incompreensivel, pouco lido e/ou intransponível fosse, por si mesmo, uma "qualidade".

Adelino disse...

Lord, é um fenômeno quase inexplicável nos dias de hoje. Outro dia ouvi de uma adolescente da família que estava encomendando o segundo volume (algo assim). E mais, me disse que o livro era melhor do o próprio filme. Eu nã li, mas dá vontade de ler para ver o que tem de excepcional.
Permita-me, Lord, sobre o comentário do amigo VALTER FERRAZ, acho que se fosse apenas influência de marketing, o sucesso ficaria limitado ao filme, e não tanto ao livro também, não acha? Diz depois o nome do seu livro que está saindo.
Abraços

Anônimo disse...

Lord Caco,

já que acreditamos em fadas, penso que J.R Rowlling é uma delas, e competente. Inventou um bruxinho fantástico, capaz de seduzir leitores sem fim, profissionais e-ou iniciantes. (A Joana já tem doze anos???)
Beijo da
Vivina.

anna v. disse...

Já eu nunca li nenhum livro do Harry Potter (oooh!!). Vi dois filmes, que não achei grandes coisas. Mas acredito que a literatura seja boa e já ouvi muitas histórias legais, como a da sua irmã. Só lamento que, como todo fenômeno, tenha dado origem a uma enorme quantidade de literatura porcaria Potter-wannabes. Porque, sejamos francos, esse troço de fantasia, magia etc., quando é ruim é ruim meeeesmo.

Mani disse...

Concordo com voce! Gosto do Harry Porter ( eu li antes da minha filhota, pra saber se dava pra guria ler)...E acho que a contribuição dela pra literatura infanto-juvenil é fantástica!!!

GUGA ALAYON disse...

LITERATURA sim!

Eduardo P.L. disse...

Não li, e nem pretendo, mas ninguém faz o sucesso dela impunemente. Claro que tem um valor inestimável.

Eduardo P.L. disse...

O único que faz sucesso, a meu ver desproporcional ao seu mérito literário é o Paulo Coelho! ( sei que este assunto é polêmico, mas é provocação, mesmo )

peri s.c. disse...

É ótimo !
Quem leu Monteiro Lobato, e gostou, gostará de H. Potter. Ainda não desisti de achar alguém que saiba onde exatamente é o Beco Diagonal, para ir lá fazer umas comprinhas.
Quanto aos filmes, claro, os livros são melhores e até acho que decepcionaram a garotada pela impossibilidade de se levar à tela, literalmente página por página dos livros.

Anônimo disse...

Lord,

Seguindo os conselhos e os passos da minha mãe, tenho lido constantemente os textos publicados aqui no blog. No entanto, estava esperando o momento ideal para fazer algum comentário. Enfim, é chegado o momento.

Devo confessar que quando dei a primeira passada de olho no texto li “J.K.Rowlling” e tive medo do que estava por vir. Sem coragem, abri os comentários para ver se minha mãe - para quem sempre é chegado o momento ideal - tinha dito alguma coisa. Aliviado, encontrei seu comentário e coragem para ler o texto. Que bom. Não poderia concordar mais com você. Nos dois últimos lançamentos do Harry estive na livraria às 00:00 para comprar a versão em inglês. Crianças gritando, angustiadas, animadas, fantasiadas fazem da compra deste livro, nestas datas, um evento surpreendente. Eu não imaginava que, nos dias de hoje, um livro poderia tocar tanto tantas crianças - e adultos - sendo capaz de ultrapassar barreiras geográficas e culturais com mensagens e idéias ao mesmo tempo tão bizarras e tão geniais. Realmente precisamos tirar o chapéu para JKR.

Um abraço,
Fabiano

denise disse...

Lord, eu vi alguns filmes, e tentei,digo tentei, porque tive de convencer a supervisora pedagógica, levar um dos livros pra meu planejamento de Literatura. adivinha! Foi vetado! Não entendi, mas , de qualquer forma, vou trabalhar textos isolados. Por que será? Preconceito, desconhecimento, não entendi, mas não discuti. Os lusíadas foi a obra escolhida.
abraço, garoto

O Meu Jeito de Ser disse...

Não conheço a obra, mas se vale para incentivo à leitura, claro que tiro meu chapéu.
Acho que qualquer coisa que leve a criança a gostar da leitura, desde brincadeiras, roda de crianças, tudo é louvável, dado a importância e a diferença que isso fará em sua vida.
Um beijo

Lord Broken Pottery disse...

Valter,
Marketing? Não creio. Harry Potter é sucesso no mundo inteiro e, também, no Brasil. Não é apenas uma fórmula. Desde o primeiro libro a autora declarou que seriam sete livros, um para cada ano do bruxinho na escola. Sempre houve um plano por trás. A criação de um mundo fantástico, muito bem delineado. Trabalho talvez seja a fórmula.
Abração

Vivien,
Concordo com você. Fazer sucesso no Brasil é quase um sacrilégio. Não respeitamos nossos ídolos, gostamos de esculhambar quem se evidencia. Também leio o Harry Potter, li todos, sempre aguardando ansioso o próximo volume.
Beijão

Adelino,
Já comentei sobre o aspecto do marketing. É claro que depois do sucesso o marketing ajudou, mas não é só propaganda, não. Não sei se deixei passar que estava saindo um livro meu. Estou trabalhando num livro técnico, com um amigo, sobre MBA, que deveremos entregar até o final de junho. Não há ainda data para sair.
Abraço

Vivina,
É exatamente a impressão que tenho. Ela é uma fada e possuidora de magia poderosa. É capaz de fazer as crianças lerem nos dias de hoje. Tarefa quase impossível. A Joana, sim, já tem doze anos. O tempo também é mágico.
Beijo carinhoso

Anna,
Também acho que há muita imitação barata. O que fazer? É a conseqüência imediata do sucesso. Não diminui a qualidade do original. Pode ter certeza que os livros são ótimos. Meninos, eu li.
Beijão

Mani,
Mais um ponto para J.K. Rowlling. Ela merece.
Beijo

Guga,
Deve ser, deve ser.
Abraço

Eduardo,
Acho que até o Paulo Coelho tem seu mérito, embora não tenha lido nada dele, nem pretenda ler. Sei de gente que começou a gostar de ler via O Alquimista. Se cumpriu essa função alguma vez, a de incutir em algumas pessoas o hábito da leitura, já valeu.
Abração

Peri,
Quando você descobrir me avisa. Quem sabe combinamos umas compras juntos?
Abraço

Fabiano,
Fico muito feliz em ver você por aqui. Fique a vontade para participar quando tiver vontade, concordando ou não. O meu prazer será igual.
Como vão as coisas?
Também li todo o Harry Potter em inglês, e considero a tradução ruim. Não entendo como podem, por exemplo, traduzir muggles para trouxinhas. O que sinto dos bruxos em relação aos não bruxos, no livro, é um grande respeito. Como eles conseguem viver sem magia? Não são trouxas.
Também tiro o chapéu para JKR.
Grande abraço e volte sempre.

Denise,
Estou dando risada. A criançada deve ter adorado trabalhar Os Lusíadas. Muito mais divertido e adeqüado que Harry Potter. Afinal fala em armas, brasões, ocidental praias lusitanas... Que maravilha!
Beijão

Aninha,
Acho que é por aí. Você, como sempre, resume muito bem. Tudo o que fizer a criançada gostar de ler é importantíssimo.
Beijo

Rosa disse...

Lord, eu nunca li Harry Poter, apenas acompanhei uma sobrinha enquanto ela assistia a um filme da série em DVD. E fiquei impresionado com aquilo mesmo que você disse, tirou as palavras da minha mente: "Invejo a capacidade imaginativa quase delirante dela. Chego a me assustar com a força inventiva demonstrada."
E fazer a garotada gostar de ler?! Ah, é claro que ela merece todos os louros e libras!
Beijos,
Rosa.

Silvares disse...

Como tudo na vida, a leitura deve ser um acto de celebração entre o indivíduo e o mundo que o rodeia. Na minha óptica não há bons nem maus livros mas antes bons e maus leitores!
:-)

Nunca li nenhum Harry Potter e a minha filha, que tem 13 anos, não leu um que lhe ofereceram. Aliás, ela lê muito pouco. Gosta de Banda Desenhada (Histórias em Quadrinhos) e gosta de desenhar e... de escrever!
Eu deixo a menina na sua paz. Um dia, se calhar, ela vai ler alguma literatura com todo o prazer. E olhe que não é por falta de haver livros cá em casa!!!
:-)

"Razões que a razão desconhece!"

Lord Broken Pottery disse...

Rosa,
Gostei da frase: merece todos os louros e libras.
Beijo

Silvares,
existem realmente mistérios sobre o gostar de ler.
Abração

Anônimo disse...

Lord, Lord,

duas coisas: meu lado mãe ficou todo feliz quando descobriu um comentário do filho. Em ocasiões assim, costumo me lembrar de que há vinte e seis anos, quando ele nasceu, não faltou quem registrasse minha coragem de, aos quarenta completos, colocar no mundo um serzinho que, certamente, não dialogaria muito comigo. Afinal, diziam, quando ele tivesse vinte, eu teria sesenta! Fim do mundo, não é? Dialogamos até nos blogs, ah, benditos blogs!
Segunda coisa: um beijo solidário à Denise, que tenta - em vão -edialogar com a supervisora pedagógica. Denise, será que sua supervisora tem mais quarenta anos que você? Fim do mundo.
Beijos ao Lord, à Denise e ao meu filho Fabiano, que tem esse nome por causa da minha paixão pela obra de Graciliano.
Vivina.

anna disse...

lord, aqui em casa o tal bruxinho nunca fez sucesso. impresso. já o filme, meu filho viu todos.
minha filha lê desde pequena. meu filho, pouco. outro dia falávamos desse assunto qdo sugeri que ela indicasse de sua pequena biblioteca, tratada com muito cuidado e ciúme, livros para ele.
ontem ela veio com o rota 66 do caco barcelos.
achei interessante a escolha e tô louca prá ver o resultado.

Lord Broken Pottery disse...

Vivina,
Também gostei muito de receber a visita do Fabiano. Aliás acredito que ele, e o Bernardo, sejam homenagens ao velho, né? Ainda bem que a Mariana não virou Siá Vitória. Esse negócio de idade é melhor esquecer, afinal já estou com 53.
Vocês têm me feito muito feliz.
Beijão

Anna,
Gosto dos livros do meu xará, já que também sou Caco. O Rota 66 é forte, pode ser que ele goste. Se conseguir ir até o fim, talvez seja bom dar-lhe, do mesmo autor, Abusado. Sou partidário de lermos a obra inteira de um cara quando gostamos dele.
Beijo

anna disse...

lord, valeu a dica. só fiz isso com a clarice lispector.

anna disse...

lord, valeu a dica. só fiz isso com a clarice lispector.

denise disse...

Ah, Ricardo, e quem disse que me rendo assim facilmente? Nada de armas nem brasões assinalados! Passeamos pelos episódios e personagens fantásticos que Camões criou para criticar a cobiça por fama e riqueza dos portugueses, como a fala do Velho do Restelo e do Gigante Adamastor. Aí, sim, fica bem divertido. Principalmente quando comparamos com a realidade hoje, e podemos refletir sobre os gananciosos governantes que vemos por aí.
abraço, garoto

Lord Broken Pottery disse...

Denise,
Felizes esses alunos. A professora sempre pode dar jeitinho e tornar a aula legal. No meu tempo era mais difícil. A gente decorava mesmo. Ainda sei uma boa parte.
Beijão

Sibila disse...

Lord,
tenho uma sobrinha tb chamada Joana. Ela lê muito, embora bem + devagar que a sua Joana. Mas gosta. Tem q dar um desconto, ela tem só 7 anos e fica meio chateada por ñ acompanhar a Júlia, sua irmã + velha. Essa leu todos os Harry Potter (só não leu justamente o q tá em inglês). Essa mocinha é realmente um espanto, tem agora 10 anos e está lendo uma tal de coleção "Desventuras em Série" (?). São 17 volumes e ela tá no 9.! Acho super legal por tudo e tb pq qdo criança fui da bem preguiçosa nesse quesito. Viva essa criançada sabida pra danar! (não tenho filhos mas sou tia mucho da coruja - Acho q vc tb!) Beijo.

Lord Broken Pottery disse...

Sibila,
Sou também muito coruja. Minhas sobrinhas são lindas,inteligentes, o máximo! E todas gostam de ler. A mais velha, a Júlia, que tem 26 anos, é formada em letras e é editora. Seguiu a mesma profisão do pai. A menorzinha, Manuela, que tem oito,também já está lendo bastante.
Beijo

Eduardo P.L. disse...

Lord, quanto à sua resposta ao comentário que fiz sobre os livros do Paulo Coelho, concordo com você! O que me impressiona são as tiragens! As traduções! Isso é que é impressionante! Forte abraço.

Lord Broken Pottery disse...

Eduardo,
Dá pra fazer muita coisa com as traduções. Já li em algum lugar que o Paulo Coelho traduzido, é melhor que o original.
Abração