quarta-feira, setembro 26, 2007

Auto-retrato

A MEG encomendou, eu obedeço.
*
Preferiria ter nascido em outro país mas, em 1954, pariram-me no Rio de Janeiro. Cidade maravilhosa remota. Lembrança de férias passadas em casas de parentes que finaram ou mudaram de endereço. Ruas do Leblon, amendoeiras espalhando folhas pelo chão das calçadas que margeavam um canal bonito.
Vivo em São Paulo desde muito pequeno, aqui me entendi por gente sendo, portanto, paulista por adoção. Gosto de Pinheiros e dos ipês que tingem de amarelo as ruas em determinadas épocas do ano, já não se consegue determinar quando.
Torço pelo Santos.
Procuro ser otimista, embora esteja cada vez mais difícil manter esse jeito de ser. Já fui mais alegre do que sou. Irrito-me fácil. Não gosto de vizinhos, barulho de qualquer espécie, aglomerados de gente. Falta de educação e de sensibilidade tiram-me do sério, perco completamente os modos. Não bebo, não fumo, pratico esporte. Tenho pavor da morte. Se algum dia morrer será contra a minha vontade.
Bem casado.
Atrai-me o número quatro.
Fico muito feliz na mesa. Comilão, adoro pratos com molhos e risotos. Tudo que leva arroz. Doces feitos com ovos; tentadores. Luto para manter-me magro e com saúde.
A solidão não me assusta.
Sinto-me bem em livrarias. Leio muito, bem menos do que gostaria. Machado de Assis é meu escritor favorito. Cinema é paixão. Não me importaria de ficar paralizado o resto da vida em frente a uma tela. Ouço música e canto com alguma freqüência.
Sou vaidoso. Procuro vestir-me bem, importo-me com aparência.
A política me cansou. Já discuti com mais entusiasmo, acreditei.
Amo o passado, sou indiferente ao presente, temo o futuro.
Odeio telefone e celular.
Inverno, nada como o frio.
Ateu com poucos pecados.
Tenho alguns livros publicados. Tento escrever.

45 comentários:

Maria Helena disse...

Lord,
Temos várias coisas em comum,outras
completamente do avesso, mas as que
mas me chamaram a atenção foram: solidão e morte.
Não temo a morte, mas a solidão...
seria um verdadeiro tormento para mim. Ela me assusta.
Fui criada com muita gente,família
imensa, não saberia viver só.
Bjs

Meg (Sub Rosa) disse...

Wow!!
Golly!
Donnerwerter!!
Algumas expressões só para ver se acerto o lugar da Europa, a ilha onde queria nascer, milord!;-)))
Estou pasma!
Agora vejo ao fazer isso, porque 2 dos demais escreveram-me um email pedindo pra não escreverem:)E um terceiro fingiu não me reconhecer;-)))
É que é fantástico. É olhar um pouco mais além. E a gente se revela até a si mesmo.
==
Ah milord, como eu não tenho nenhuma moral para fazer os amigos me "obedecerem" - coisa aliás que aprecio muito, mandar e ser obdedecida hohoho!!! (-ih! esqueci de escrever isso) então peço por favor que o Lord com mais posse, poder e domínio levasse mais 3 ou quatro amigos a escreverem um auto-retrato. Incluindo-me out, for sure;-)
(Escute aqui, não ficou maravilhoso parecendo aqueles que o Millôr escrevia quando nem eu nem você Lord existíamos?
Retratos 3X4 de amigos 8X16 ?

É o único jeito.
Estou emocionada. E principalmente, o que mais me deixa pasma (de novo) é ver coisas que a gente imaginava -assim, gostar de rir, isso de irritar(se) -eu também, devo admitir-
E já me identifiquei tanto quer de forma convergente ou divergente, que estou quase "rasgando" aquele e fazendo outro:-)

Seria uma belíssima chance para a queridíssima Vivina fazer seu post inaugural. E os outros também é claro.
Please, Lord, faça isso, sim? Incluindo-me ou não (não me inclua porque ninguém já agüenta ler o que escrevi, mas pelo menos duas ou três pessoas eu adoraria ver o auto-retrato:
A Adelaide
O Jayme Serva - por aquele post que o Valter postou.
O Peri
Ai são tantos, o Valter também embora nós saibamos que o Valter já tem um auto-retrato impresso e por iso não pedi dele.
As meninas que vêm aqui e eu adoro lê-las: a Vivien por exemplo.
Bom, já viu como eu sou, não é? Além de mandar...;-))

Mas, quanto a mim: Estou radiante! Hey!
Pra finalizar, outro obrigada, milord!
You do plenty well!
Faça-me o enorme favor de aceitar um beijo e um abraço meus, totalmente antieconômicos, que devem ser repartidos com Lady Cordélia. Desapressadamente.
M.
Likewise, milord ficou muitíssimo bem na foto.;-)

Anônimo disse...

Queridíssimo Lord Caco,

continue "tentando" escrever. Quem sabe, um dia, você aprende???

Beijo, menino.

Vivina.

valter ferraz disse...

Lord,
ficou transparente. Ao menos para mim, nenhuma surpresa. Melhor assim.
Gostei de saber que às vezes, canta.
Forte abraço

Sandra disse...

Maravilhosa a forma que decidiu se expor! Frases contínuas. Respiração cadenciada. Orgulho e maestria no domínio de seu conhecimento. Como é bom ler você!

Beijos

Vivien Morgato : disse...

Lord Caco, bacana descobrir a vida dos outros blog-amigos.;0)

Vivien Morgato : disse...

"Tenho pavor da morte. Se algum dia morrer será contra a minha vontade."
cara, eu poderia ter escrito isso..hahahahah

Alice disse...

Lord,
Adorei conhecer mais sobre você!
O engraçado é que fico imaginando como vc é,ainda não me veio muita coisa na cabeça,mais agora,quem sabe não me vem mais?
Não sei se já te disse mais eu sou muito curiosa,fuxiqueira não!rs..curiosa mesmo,desde pequena sou assim!rs..
O único que conheço por foto é o jayme,''um patridão11rs..Ah,o Walter que falei só uma vez já vi a foto dele em algum blog.
Beijos da amiga curiosa!

Magaly disse...

Lord, prazer em conhecê-lo. Sua foto - suas preferências, suas reminiscências, seus humores, seus temores, a morte... quem sabe, se não lhe bate a sorte e da maldita lista ela o corte?

Brincadeirinha, posso?

Texto de mestre.

O Meu Jeito de Ser disse...

Lord, é engraçado, mas quando nos sentimos por qualquer motivo próximos de alguém, quando lemos algo assim, uma verdadeira exposição, ou mesmo um auto-retrato, o nome foi perfeito, temos a impressão que nada é novo.
Enquanto seguimos lendo, vamos procurando se não há nada a ser contrariado.
Enfim, bom confirmar a figura tão humana que é.
Um beijo.

Anônimo disse...

caro sir,
tenho maior inveja de quem consegue descrever-se assim, como fez, suscinta e claramente.
caso precisasse, e isso só em caso de vida ou morte dos filhos, precisaria que fosse num divã e com medicação pronta prá ser aplicada na veia, tal a crise que teria.
anna

perdidinha... disse...

muito prazer!
entre outras coisas tb tenho amor aos livros e sinto-me maravilhosamente bem em uma boa livraria!
beijocassssssssssssssssss.

Van disse...

Prazer em conhecer, Lord!
Auto-retratos geralmente são difíceis.
Mas são um ótimo exercício de humildade.

Ó, tem presentinho pra você lá no VAN Filosofia!
Espero que aceite e goste.
Beijucas

GUGA ALAYON disse...

Perto do que eu imaginava. Uns 10 mil Kms.
Muito bom. abç

Eduardo P.L. disse...

Lord, posso estar enganado, ou você anda nos enganando. Esse retrato é outro Lord. Não o que conhecemos!

Abçs

marilia disse...

lORD! QUE BOM...VC É NORMAL!!!
SABE, DESDE QUE FALEI NO MEU POST QUE GOSTARIA DE REALIZAR PEQUENAS ENTREVISTAS COM MEUS BLOGUEIROS PREDILETOS, JÁ ENVIEI UMAS PERGUNTINHAS PARA ALGUNS, QUE GENTILMENTE ESTÃO ME RESPONDENDO! VC ESTA NA LISTA E SESSA APRESENTAÇÃO SÓ VAI ACRESCENTAR!!!
ADOREI TE CONHECER UM POUCO MAIS!!
BJOS

Alena disse...

Gostei!

Sibila disse...

Embora ache que nesse belo texto você se descreva com um pouquinho de frieza (não seria o propósito, ou a propósito?), li o que imaginava ser você. Um cara cheio de talentos e que gosta de sossego - bem bacana. E a gente é tão diferente, mas tem assim de acintosamente identificados: Santos, música e canto, leitura nem sempre no tanto certo, gostar do frio e o compartilhar da rejeição completa por telefones, e, principalmente, celulares, urgh!
Beijos, querido Lord.

Sibila disse...

Oi Lord, acho que é mais correto "rejeição a". A tentativa de correção do erro ajuda fixar o que seria certo, né?
Bjos.

Lord Broken Pottery disse...

Maria Helena,
A solidão realmente me agrada, tenho em mim um ótimo companheiro.
Grande beijo
Meg,
Gostaria de ter nascido em qualquer lugar de UK. Viveria muito bem em Edimbourgh, uma das cidades mais lindas que conheço. Gostei das sugestões: Jayme, Adelaide, Peri eVivien, acrescento o Ery e a farra está completa.
Beijos
Vivina,
Duas coisas: você viu a homenagem da Vivien, tem acompanhado a campanha pró blog seu da Meg? Quanto a escrever, vou continuar tentando, só não sei se aprendo.
Grande beijo
Sandra,
Seu comentário me emocionou. Pelo carinho, leitura atenta, palavras que me incentivam.
Grande beijo
Vivien,
Então está combinado. Se algum dia morrermos, será contra nossa vontade.
Alicinha,
A curiosidade é uma qualidade.
Beijo
Magaly,
Como seria bom se ela me cortasse da lista... Será?
Grande beijo
Aninha,
Bom que você tenha gostado de mim, também gosto de você.
Beijão
Anna,
Não é muito difícil. Só precisamos manter uma certa distância e nos livrarmos da emoção. Com muita emoção não se escreve nada que preste.
Grande beijo
Perdidinha,
As livrarias são meu parque de diversão.
Beijo carinhoso
Van,
Humilde, eu? Estou indo ver o que você me aprontou.
Grande beijo
Guga,
Eu engano bem, mas sou bem parecido com o que descrevi.
Grande abraço
Eduardo,
Creia que o retrato me saiu bem fiel. De noite todos os gatos são pardos.
Abração
Marília,
Resonderei suas perguntas com muito prazer.
Grande beijo
Alena,
Que bom!
Beijo
Sibila,
A descrição é realmente fria, mas verdadeira. Nada foi planejado, apenas fui escrevendo.
Grande beijo

Anunciação disse...

Só faltou a foto,hehehehe.

Sibila disse...

Adorei!
Nas respostas você é mais você mesmo. Tão legal!(urds, que óbvio mais certo de ululante: a gente sempre é com/pros outros)
Beijo amigo.

peri s.c. disse...

"Tento escrever".
Então tá, vai tentando, vai.

POESIA DO BELO disse...

Fiquei entusiasmado com os textos do teu blog, tens mesmo grande afinidade com a escrita clara e precisa. Ficaria lisonjeado, se pudéssemos visitar um o blog do outro.

Saudações

Lord Broken Pottery disse...

Anunciação,
Faltou nada, estragaria tudo.
Beijo

Sibila,
As respostas, é claro, são menos literárias. Já imaginou se eu levasse para responder o tempo que levo para escrever. Seria penoso demais.
Beijo

Peri,
É o que tenho feito, é o que tenho feito.
Grande abraço

Poesia do Belo,
É muito legal vê-lo por aqui. Estarei "linkando" você.
Grande abraço

jayme disse...

Belo auto-retrato!

james disse...

Belíssimo texto.

Pode continuar "tentando" escrever, o público agradece.

Um abraço.

Lord Broken Pottery disse...

Jayme,
Obrigado!
Abraço

James,
Vamos continuar tentando.
Abraço

Claudia Lyra disse...

Tão bom te conhecer um pouco mais. E gostei quando disse "se algum dia morrer será contra a minha vontade"... hahahhhaa... também penso assim!

Lord Broken Pottery disse...

Claudia,
Contra a nossa vontade, né?
Beijo

adelaide amorim disse...

Adorei essa surpresa: Lord Caco em auto-retrato! Bem inspirado, aliás.
Prazer em conhecê-lo, viu?
:) Beijo.

ery roberto disse...

Lord, isto ficou ótimo! Escrito com o costumeiro padrão de qualidade Broken Pottery. Tem um detalhe: achei que você é um mentiroso com bastante coragem, pois dizer "Tento escrever" tendo todo seu histórico!? Vai querer que alguém acredite? Pensando melhor, acho que queria terminar o texto de forma bem humorada. Tá perdoado. // Grato por dizer que eu completaria a farra. Pra quando ela ficou marcada? Abraços.

ery roberto disse...

Lord, isto ficou ótimo! Escrito com o costumeiro padrão de qualidade Broken Pottery. Tem um detalhe: achei que você é um mentiroso com bastante coragem, pois dizer "Tento escrever" tendo todo seu histórico!? Vai querer que alguém acredite? Pensando melhor, acho que queria terminar o texto de forma bem humorada. Tá perdoado. // Grato por dizer que eu completaria a farra. Pra quando ela ficou marcada? Abraços.

marilia disse...

Lord, relendo vc, "amo o passado, sou indiferente ao presente, temo o futuro"...
Amigo,vou ousar sem que pense ser conselho, somente palavras que gostaria de lhe dizer..: ame o passado, viva o presente e não tema o futuro!
ele não existe...
Ele é apenas "nós" amanhã...
bjão e BFS

Adelino disse...

Lord, outro dia critiquei um bom trabalho que eu próprio fizera e ouvi de alguém:
- Ou você está querendo elogios ou a sua auto-estima anda em baixa...
Eu não queria elogios, mas é claro que, por modéstia, não enaltecemos nosso trabalho. E nem com a auto-estima em baixa.

Como você não está coma auto-estima em baixa, e nem quer quer ou precisa de elogios, resta-me apenas parabenizá-lo pelo belíssimo depoimento. Uma aula.
Grande abraço, e bom final de semana.

marilia disse...

Lord, seu coment´rio me deixou muito feliz!
vc entende das coisas, e sua opinião é de peso...valeu o carinho!
bjão

ana vidal disse...

Caramba, Milord, isto é que é ser sintético e objectivo! É muito difícil - muito mais do que se pensa - fazer um auto-retrato honesto. A auto-crítica não é para todos, e a humildade muito menos. Não o conheço pessoalmente (por isso não posso dizer se você é assim mesmo ou não), mas não tenho a menor dúvida de que o seu texto é honesto. Isso vê-se muito bem ao lê-lo. A simplicidade é o grande segredo, tenho a certeza. Um dia dei a você um prémio de Nobreza e Elegância - pois bem, hoje renovo esse prémio com todo o gosto, e reafirmo que seria para mim um prazer conhecê-lo. Talvez um dia destes, quem sabe?

Ana

Eduardo P.L. disse...

Lord, concordo com a Ana Vidal que merece o premio, recebido, de NOBREZA e ELEGÂNCIA.

Bom domingo.

marilia disse...

Bom dia, boa semana..
tem coisa proce lá no meu brogui.....
bjos

Lord Broken Pottery disse...

Adelaide,
Não sei se você reparou, discretamente que não sou de fazer imposições, convidei você a fazer o seu também. Seria legar conhecer você mais um pouquinho.
Grande beijo

Ery,
Dizer que tento escrever, e digo isso há muito, tem outros significados, não apenas o que parece. Tento, em primeiro lugar, por ter que brigar sempre com as brechas de tempo que não encontro. É muito difícil escrever quando se tem que trabalhar para ganhar a vida. Escrever, preferia que fosse meu ganha pão, está sempre em segundo lugar. Não é uma obrigação de serviço, é um prazer na maioria das vezes adiado. Acaba sendo uma angústia. Aprendi, desde muito cedo, a ser exigente com o que produzo. Meu padrão de qualidade, sempre exigente, torna o ato de escrever e re-escrever, sempre uma tentativa de busca de excelência no texto, que muitas vezes é desanimadora. É nesse sentido que tento, mas nem sempre consigo.
Grande abraço

Marilia,
O que você disse é, sim, um conselho, e dos bons. Ouço sempre, trabalho muito com o tema em terapia. O pior não é temer o futuro, como você bem disse ele não existe. Mais grave é ser indiferente ao presente. Significa viver, de algum jeito, mal. Sou muito ansioso, e minha imaginaçào vive a mil. Ou estou no passado, refazendo percursos que já vivi, ou estou dentro de mim, viajando, completamente indiferente ao que acontece em minha volta. O ideal é que pudesse viver o agora com mais intensidade.
Grande beijo

Adelino,
Você observou bem. Minha auto-estima não está baixa, e nem tenho problemas nessa área. Sei que é um problema sério para a maioria das pessoas. Só não é verdade que não precise de elogios. É claro que necessito deles. Todo escritor precisa. Queremos ser lidos e gostamos da idéia de que nossos textos são apreciados. Deixo então meu agradecimento ao seu carinho, obrigado pela leitura que você sempre faz.
Grande abraço

Marilia,
Procuro ser sincero.
Beijo

Ana,
Se eu disser que também não me conheço assim tão bem, você não dá risada? É sempre estranho quando escrevemos lemos depois o que produzimos. Quando fazemos um auto-retrato é mais ainda. Será que aquilo é fato ou ficção? Fomos verdadeiramente sinceros ou apenas a vontade de fazer alguma coisa com qualidade falou mais alto? Difícil interpretar o resultado. Ao meu favor apenas a constatação de que alterei pouco o texto depois de feito. O que saiu deve refletir, com alguma exatidão, o que penso que sou. Para mim também seria ótimo conhecê-la. Quem sabe, como você bem disse, um dia?
Grande beijo

Eduardo,
Como já disse, algumas vezes, você é bastante benevolente comigo. Resultado, tenho certeza, de uma amizade que nasceu virtual e vem se tornando mais forte e real com o tempo.
Grande abraço

Blog do Beagle disse...

Olá, cheguei aqui por meio do Blog da Marilia e me deparei com esse texto seco e profundo, cheio de revelações. Posso voltar? Posso mexer por aí? Bjkª. Elza

palpiteira disse...

Eu, como vc, nasci em SP, mas gostaria de ter nascido em outro país. Também acho que o UK me receberia bem, e até gostaria que fosse a bela Edimbourgh, não fosse o interessante documentário que assisti, ontem à noite, falando sobre os subterrâneos da cidade. Já imaginei um Jack estripador qualquer raptando as moças e as levando para os subterrâneos. :) Não sei teria sossego alimentando filmes de terror mentais por aqueles imensos corredores.
Prazer em conhecê-lo.

M disse...

Fiz um imenso comentário, ontem e o perdi.
Cliquei errado.
Fiz bem, nele explicava como eu via isso de tentar escrever.
Um sentido registrado no meu Webstrão, que divide a mesa comigo;-
E dizia que a gente olha retrato escrito como se fosse daguerreotipado, pintado ou desenhado. Olha-se o todo e depois vê-se os detalhes, a boca os ohos etc.
A mim, confesso que me deu uma inverja da bruta:
Como pode ser comilão, e comer doces e ficar magro.
Fico pasmada;-)
Um beijo
M.
P.S Ah sim, reclamava que tinha que mandar *M*A*N*D*A*R* esses meninos (os 5) trabalharem;-)
agora veja ese aqui e depois me diga alguma coisa:

UMOREMIO

Aí vc desce em Auto Retrato.
http://umoremio.blogspot.com/2007/09/auto-retrato.html
É um dos blogs que mais gosto.
Um beijo
M.

peri s.c. disse...

Conflito de gerações.

Lord Broken Pottery disse...

Sandra,
Fique à vontade, mexa onde quiser, o blog é seu. É uma honra para mim recebê-la. Estarei colocando um link e retribuirei a visita.
Grande beijo

Palpiteira,
Não se incomode com os subterrâneos. Já estive em Edimburgo algumas vezes e não os conheço. Nem tudo que a mídia divulga é assim tão comum.
Grande beijo

Meg,
Essa relação com o comer acho muito interessante. Me preocupo com ela até por ser, como já disse, muito comilão. Sou também bastante vaidoso, e não aceito ficar gordo de maneira nenhuma. Temos então um paradoxo. Como poder comer o que se gosta sem engordar? Percebi, por experiência ou tempo de casa, que os regimes vendidos por aí estão errados. Proíbe-se o fulano de comer o que ele gosta, estabelecem-se metas de emagrecimento. Logo o cara está infeliz, neurótico, louco para dar uma escapadinha. Quando o faz empanturra-se, deprime-se e precisa comer mais para aplacar o remorso. Eu faço diferente. Deixo um dia na semana para comer tudo o que gosto, normalmente os domingos. Controlo-me nos outros dias sabendo que terei uma recompensa legal se me comportar. Durante a semana, já que tenho que trabalhar e os dias estão estragados mesmo, como direitinho: mato, carnes brancas e frutas. Malho por prazer. No domingo: massas, doces à vontade. O saldo é sempre a meu favor: emagreço, mantenho-me de bem com a balança. Também vejo os auto-retratos assim. Primeiro o todo, depois os detalhes. Com a sensação sempre presente de que aquilo é literatura, diz-se o que se quer dizer, de uma forma "bonitinha". Ninguém revela-se por inteiro muito facilmente. Não nos conhecemos assim tão bem. Os analistas que o digam. Vou linkar o Umoremio.

Peri,
Esses conflitos existem, sãqo reais, incomodam.
Abração
Grande beijo