quarta-feira, janeiro 02, 2008

Made In Brazil

Não sou patriota. Isso das nossas aves gorjearem melhor do que as de lá de fora carece de lógica. Aqui, ou no Haiti, passarinho canta bonito, desde que em horário adeqüado. Meu país é estar bem comigo mesmo. Minha terra é onde encontro felicidade. Só quem não conhece o mundo, nunca viajou, pode insistir nesse orgulho tolo comparativo. Festejar ser brasileiro, viver declarando que somos o melhor lugar que existe, soa-me antigo.
Dentro desse espírito, debaixo dessa ótica, surpreendeu-me outro dia uma jovem que por mim passou. Trazia no dorso tatuado: Made In Brazil. Grande coisa!
Já disse, e repito, que nada tenho contra tatuagens. Meu sentimento com relação a elas é curioso. Oscilo entre achá-las bonitinhas e vulgares. Depende, é claro, da pessoa que as ostenta. Só não entendo quando escrevem. Nome de filhos, mensagens religiosas, vãs filosofias, tanta besteira... Pobre pele. Prefiro o corpo nu.

68 comentários:

valter ferraz disse...

Lord, que bom, texto novo!
Tatuagens? Piercing? tô fora!
Acho de um mau gosto incrível, com ou sem a bandeira do Brasil, mas cada um na sua, é ou não é?
Bom ano novo para voce!
Abraço forte

Lord Broken Pottery disse...

Procê também, mano!

denise disse...

Oi, Ricardo, sempre surpreendendo com suas convicções. É bem verdade que só podemos falar daquilo que conhecemos. Hoje, com a globalização e tanta tecnologia, é possível conhecer lugares, seus hábitos, cultura, enfim, sem ter ido até lá. Claro que já pensei em tantos lugares onde seria interessante viver. Mas o amor à pátria transcende o sentimento de revolta e indignação ante a realidade. Assim, embora odeie as coisas que vêm acontecendo no Rio, amo esta cidade, e é nela que quero viver, apesar de ter muita vontade de morar na serra, em Teresópolis, por exemplo, mas por haver uma qualidade de vida natural que me atrai muito. Quanto às tatuagens, algumas são bonitas, outras, pavorosas, já outras, puro modismo. Acredita que tive vontade de tatuar o nome de meu filho, perto do coração? Faltou coragem. Falei demais, né.
Um ano abençoado e com grandes realizações , tá, amigo.
abraço, garoto

Lord Broken Pottery disse...

Denise,
Provavelmente por você sentir-se bem no Rio. Garanto, porém, por experiência própria, que viver em lugar com segurança, assistência médica de boa qualidade, transporte adeqüado, gente educada ao redor, faz a diferença. Não há globalização capaz de transmitir essa experiência. Só vivendo.
Grande beijo

Aninha Pontes disse...

Não posso dizer que aqui é o melhor lugar do mundo. Afinal é só isso que conheço. O que sei com certeza é que gosto daqui. Sou feliz.
Agora tatuagens, não gosto.
Meu filho tem tatuagens, por escolha dele, e reprovação minha.
Correu a São Silvestre?
Um lindo e feliz ano prá vocês.
Ia te ligar e falar com a Lia, mas vocês estavam fora, por favor transmita à ela os meus desejos de feliz ano.
Um beijo

Ricardo Rayol disse...

Como copiamos tudo de fora, até esse pesudo-ufanismo veio de bojo. O americano idolatra seu país, é da cultura deles, e daí copiamos. Meio idiota. Mas a questão da tatuagem é de menos no teu texto. Não entendi os comentaristas. Sou tatuado, e as fiz depois dos 40, é uma questão de atitude e coerência estética. Na minha humilde opinião, tatuar nome, frase ou epitáfio (no caso Made in Brazil pra mim é epitáfio) é realmente de mau-gosto. Mas já vi fotos de tatoos pavororosas, como um cara que tatuou um rabo de dragão ou jacaré saindo do fiofó.

Silvares disse...

Meu Lord, vai ver esse orgulhozinho de ser quem é e ter o país mai'lindo do planeta é herança lusa. Só pode! "O jardim à beira-mar plantado" é só uma das designações que nós, os tugas, damos ao nosso país. O "nosso" ditador, Salazar, criou um universo paralelo em que os portugueses estavam "orgulhosamente sós" e outras enormidades do género. Enfim, cada um se compraz com o que pode. Se puder, é claro!
Um bom ano para si.

peri s.c. disse...

Lord
Também acho curiosa esta onda de tatuagens. Sempre penso: e quando sair de moda ?
Quando eram coisa dos submundos, piratas, estivadores, caminhoneiros e afins, achava mais realista e e pertinente. Desenhos de Nossa Senhora Aparecida, sereias e a sensacional mensagem : " amor só de mãe ". Não se fazem mais tatuagens escritas como antigamente.

anna disse...

gosto muito de tatu.
mas acho que não coisa prá jovem e muito menos para os apaixonados.

é prá gente como eu, com meio séculovivido bem debaixo desse sol.

valter ferraz disse...

Lord, o Peri lembrou muito bem. As verdadeiras tatuagens eram as de presidiários e de marinheiros. Nossa Senhora Aparecida, ou uma âncora com correntes e a imagem de Iemanjá. Essas sim, de respeito!
Isso de hoje é um modismo barato, sem noção e sem nenhum vínculo.
Alguns casos, considero coisa de viado mesmo, mas essa última observação é só prá provocar polêmica, nada mais.
Abraço, Peri//
Abraço, mano

alice disse...

Lord querido,
Quem sou eu pra falar de tatuagem ,eu que ostento 7 rs
Nnunca fiz por modismos,todas elas tem um significado,são discretas,posso estar vestida decentemente como sempre ando e ningúem sabe que sou tatuada.
Ironicamente não gosto de tattoos que chamam a atenção.
Já faz um tempinho que tatuar made in brazil virou ''moda'' rs.
Beijo!

Van disse...

Meu querido..... Saudades imensas!
Concordo com você.
Prefiro o corpo nú. A alma despida.
Prefiro a pele limpa. As palavras nítidas e escritas assim como você o faz: PERFEITAMENTE!

Adoro você, viu?
Beijucas + Saudades

Marcio Gaspar disse...

tenho problemas com tudo que tem ares de 'definitivo'- as tatus pra mim entram nesse escaninho. e patriotismo? aff... tô fora!

Anônimo disse...

Lord,

Tô com você e não abro na questão do patriotismo. Esse negócio de sermos melhores, mais bonitos, mais alegres eu não compro mesmo.

Alias, o assunto me lembrou aquela frase (alguém saberia sua autoria?), que vai até um pouco além da sua crítica:
"Tudo que só dá no Brasil, e não é jabuticaba, não presta". Essa aí dá ainda mais pano pra manga...

Aproveito pra te desejar um bom ano para você pra toda a turma que te visita aqui do blog.

Abraço grande,

Fabiano

Claudia Lyra disse...

Mais um texto em que seus pensamentos são muito parecidos com os meus. Tudo bem que não sou uma mulher "viajada", mas também não entendo o patriotismo exarcerbado. Quanto às tatuagens, é uma idéia que não consigo compreender por mais que tente. Como é que alguém se marca assim de forma tão definitiva? Tem umas bonitas, mas...

Meg (Sub Rosa) disse...

Queridíssimo Lord

Esse "ufanismo" - herança do tal Conde Afonso Celso, não é isso? - já foi batido e depois rebatido, mas não tem jeito. Uma outra forma desse sentimento, é o alastrado *aumentativo*: tudo termina em *ÃO*: Copão, Mangueirão (o estádio de futebol de Belém) mas sei que você deve conhecer outros e também a história de tudo aqui ser o maior do mundo, não é?
Nada aqui é o menor do qualquer coisa ou lugar. Tudo é na base do Itu;-)

Mas uma coisa realmente não dá para negar: nossos escritores são melhores, (embora jovem literatura nem dá para comparar com quem tem literatura milenar, certo?, mas Machado e Graciliano, não tem para ninguém!) e nossos Lords são os melhores.

E embora se posa ter amigo em qualquer lugar, um dos meus melhores amigos em todo o mundo [- e olhe que como você, eu também já viajei um "bocadinho";-) já morei em países diferentes-] é brasileiro, é escritor, mora em São Paulo: é você meu Lord.
Parabéns, pelo dia 4 de Janeiro!


E se estou certa, quanto à data, só me pergunto como sua mãe deve ter passado o Natal e o Ano Novo de 53 para 54.
;-))))
Lord querido, toda a felicidade, todo o êxito, todo o sucesso pessoal e profissional, toda SAÚDE e - também - todo o amor desta sua amiga, pois a Amizade é uma forma de amor.
beijos à minha querida Lord Cordélia.
Da Meg
que atualmente mora na Amazônia, onde fica o maior rio do Mundo;-)))
P.S.

A "tatu" da moça era MADE IN BRAZIL GRANDE COISA.
Ou o big deal é você quem está dizendo?
Hahahaha. Brincadeirinha
VIVA O LORD BROKEN-POTTERY!!!!
Viva o meu querido amigo escritor RICARDO (RAMOS) FILHO.

(P.S) Não sei se já viu lá nos meus destaques, O Um, dois, três, cada um...

Meguita

Lord Broken Pottery disse...

Aninha,
Acho que é bem por aí, meu país é onde sou feliz.
Grande beijo

Ricardo,
Você pegou bem o espírito da coisa. A crítica aqui é mais ao ufanismo e menos às tatuagens. Té porque, como já disse, fico meio dividido com relação à elas, entre o gostar e não gostar.
Grande abraço, amigo

Silvares,
Apenas para afirmar que o sentimento dos tugas justica-se. Você realmente são o jardim beira-mar plantado. Agora entendo de onde vem essa nossa herança ufanista.
Grande abraço

Peri,
É pergunta que me faço. Como acreditar assim que uma coisa que é moda não irá passar? Chegará um dia, tenho certeza, que as tatuagens serão consideradas cafoníssimas. E aí?
Grande abraço

Anna,
Meio século? Não exagera.
Grande beijo

Alicinha,
Tatuar “made in Brazil” virou moda? Então é moda dentro de moda (rs...).
Grande beijo

Van, querida,
Bom ver você por aqui, espero que bem.
Grande beijo, viu?

Márcio,
“Patriotismo, tô fora!”. Dá um belo slogan.
Grande abraço

Fabiano,
A frase, não sei de quem é, brilhante, me lembra Millôr. Quem sabe... Até as jaboticabas, realmente deliciosas, são perigosamente constipadoras. Também desejo a você, e a turma de sua casa, um ano maravilhoso.
Grande abraço

Claudia,
O definitivo das tatuagens, conforme comentei com o Peri, também me assusta. Até as roupas que duram muito, nunca acabam, me são incômodas. Chega uma hora que as jogo fora. Não dá para se livrar da pele, não é mesmo?
Grande beijo

Meg,
Agradeço o seu carinho sempre presente, nossa amizade, realmente, é enorme. Graciliano e Machado, permita-me discordar, são realmente grandes mas não melhores. Temos Proust, Thomas Mann, Tolstoy, Pessoa, Dickens, tantos escritores maravilhosos que nem assim podemos nos ufanar. Somos, talvez, o melhor lugar do universo. Será?
Obrigado por ter lembrado de minha idade avançada. Esses 54 estão me pesando enormemente.
Grande beijo, querida

Lord Broken Pottery disse...

Meg,
Volto para responder sua pergunta. Minha mãe, a digníssima senhora D. Marise, passou o ano de 53 para 54,prenhíssima!
Grande beijo

alice disse...

Lord,
Não poderia deixar de passar aqui para dar um beijo ao meu amigo de idade nova!!
Tudo de bom,vc merece!!
Ano novo,vida nova,novos projetos e idade nova!rs
Beijos!!

valter ferraz disse...

Caco, vem cá pro abraço, rapaz!
Felicidades.
Beijo, mano

Lord Broken Pottery disse...

Alice,
A idade não é assim tão nova, infelizmente. De qualquer forma agradeço o seu carinho.
Grande beijo

Valter,
Obrigado, mano, 54 não é fácil!
Grande abraço

Aninha Pontes disse...

Lord querido, 54 é como 53 ou 55, o que conta é que merece nosso carinho e nosso abraço por estar aqui conosco, e não se faz 54 todos os dias.
Parabéns, muitas e muitas felicidades.
Um beijo.

apoiofraterno disse...

Lord, fico na mesma dúvida que você quanto a como conceituar as tatuagens. Realmente não as entendo, embora vez por outra as admire quando discretas. E o piercing no umbigo de uma mulher sarada, barriguinha de modelo, acho muito sexy, mas só acho isso se é que me entende.
Agora quanto a essa história de sou brasileiro e brasileiro é o melhor do mundo, bobagem pura. Tem outra pior, aquela que apregoa que deus é brasileiro. Por que seria?...rs.
Feliz 2008 para você e seus familiares e passa lá no APOIO que estamos de primeiro ano de blogue.
Abraço forte,
Mário.

Lord Broken Pottery disse...

Aninha,
Tudo é mesmo relativo. Mas que 35 é melhor do que 54, não tenho dúvida. De qualquer forma agradeço ao seu carinho, muito importante para mim.
Grande beijo

Mário, meu amigo,
Concordo com você com relação ao piercing, também acho bonito, inclusive no nariz. Estou indo lá, tá?
Grande abraço

Eduardo P.L. disse...

Lord,

admiro sua coragem em dizer (escrever) as coisa que normalmente achamos, mas não temos coragem, ou pudor, de assumir! Ou não será pudor, e sim hipocresia???

Abçs

Flávia disse...

Corpo nu é cool. Assim, com suas imperfeições de nascença e suas lisuras imaculadas.

Beijo!

Márcia(clarinha) disse...

Parabéns pelo seu aniversário,muitas felicidades!!
Existem muitos lugares bons para viver, de clima saudável, de belas paisagens, mas o melhor ainda é aquele onde nos sintamos bem, que fale a nossa língua[e se pode ter mais que uma]e que nos acolha num abraço.
Aqui lhe fala uma tatuada[tenho duas pequenas]pós quarenta anos, as fiz com carinho e não me arrependo, nem acho vulgar e admiro meu corpo nu mesmo com elas na minha pele, rsss, questão de ângulo.
Dias lindos meu amigo
beijos

Lord Broken Pottery disse...

Eduardo,
Essa coisa de ter coragem de dizer as coisas não é só minha. Você trilha o mesmo caminho, sempre coerente com suas convicções. Admiro muito essa sua característica, amigo.
Grande abraço

Flávia,
Belo comentário. COrpo nu é cool, gostei.
Grande beijo

Márcia,
Falei das tatuagens mais devido ao Made In Brazil. O que realmente não entendo é essa coisa do patriotismo. Lugar bom é onde nos sentimos bem. Aqui, ou na China.
Obrigado pelo seu carinho.
Beijo

Meg (Sub Rosa) disse...

Lord querido:
Tudo bem, discordar vocepode, mas .. bom não vou entrar nesse papo, você sabe, meu querido Amigo, a língua em que escreveram, e outros quetais;-).
Um dia a gente volta, a Susan Sontag parece que destinou ensaios a Machado, e os etc e tal.

Eu não lembrei nada de idade, lembrei seu nascimento, que para mim foi maravilhoso, pois hoje você é uma dos meus Amigos mais queridos, daqueles que a gente gosta mesmo quando não está se pensando;-)
ORA, ORA, milord, que desacato, que sua queridíssima Mãe estava prenhíssima, eu imagino, oras...(puxa, nem é segunda-feira e vc já está desse jeito?;-) o que eu queria saber, coitadinha - em forma retórica, *RETÓRICA*, Lord, uma coisa que voces homens não sabem: os últimos dias de pompéia da gravidez.
Você, milord, é um menino. A vida, me disseram ouro dia, começa aos 40. Fiquei boba!;-)

Agora, tudo isso mesmo é para lhe chamar lá no Sub Rosa: um moço de quem gosto muito apareceu e respondeu procê, Lord querido.
Eu acho que você vai gostar. Ele falou no Paulo Freire e nos tijolos;-)))
Quando vc puder vá até lá, tá bão?
Mais beijos para vc e para milady

Megz...

denise disse...

Lord Ricardo, vim aqui te dar um abraço (atrasado) pelo seu aniversário. Não pude entrar na net ontem (problemas no PC), mas nunca é tarde para dar os parabéns a um amigo. Que Deus o abençõe e lhe dê muitos anos de vida. Que este ano seja de muitas realizaçoões. Você merece toda felicidade e todo carinho que seus amigos lhe dão.
abraço, garoto

Sibila disse...

Oi querido Lord,
faz parte da convenção - mas mais que isso, pq somos mais q convenções - desejar: FELIZ ANO NOVO!

Pra mim, passarinho que está bem, é passarinho q canta livre, quando e onde bem quiser fazer.

Minha terra é a Terra, ampla, irrestrita, mas particular, não porque queira, mas porque nasci ao canto do sabiá. Canto inicial q conversa - e só assim poderia conversar - com o diverso e nos deixa menos limitados. Do particular, o universal. E vai e vem.

Moda tb é "adequação". Mas, acho, não só isso. E as tatuagens, hoje, tb não são só moda.

Beijo com carinho,
Sibila.

Sibila disse...

Oi,Lord,
que distração lamentável: sem convenções, convencida no intuito:

FELIZ ANIVERSÁRIO!

Poderiam inventar decanário ou pra sempre o que tiver pela vida, longa.
Com muito afeto,
Sibila.

ery roberto disse...

Lord, amigão, atrasado por circunstâncias, mas presente: Feliz Aniversário! E não reclame da idade, porque aquela em que estamos será sempre a melhor - o que tivermos que fazer ora adiante será com ela, será nela. // Acho difícil quem não tenha perdido grande parte do patriotismo nos últimos cinco anos da vida deste país. Eu tenho vergonha de ser governado por um presidente analfabeto e velhaco. Todos esses sentimentos eu resolvi "suspender" até 2010. Depois veremos o que fazer. Forte abraço.

GUGA ALAYON disse...

Parece que seu verdadeiro anno começa agora, não?
abração então

claudio boczon disse...

Sobre ufanismo, tem aquela (acho que do Jaguar) mais ou menos de ansim:

"Quem mandou eu nascer aqui no estrangeiro?"

Pô, o Peri citou justamente o dístico que, um dia, aporei no peito, aplicado numa fita circundante a um coração trespassado por uma adaga.

No mais, é ouvir um tango.

Répi Bãrdei

av disse...

Antes de mais: parabéns pelos 54, milord!! E continuação de muito fôlego na escrita...

Quanto ao resto, só posso citar o mestre (ou melhor, um dos mestres, já que há tantos...): "A minha pátria é a língua portuguesa". E, mesmo assim, para mim é tão fácil adaptar-me a todos os lugares por onde ando!! Concordo com você, meu amigo: essa mania dos nacionalismos é um tanto saloia, e só quem não viaja não percebe isso.

BOM ANO!
Um beijo
Ana

Anônimo disse...

Caco, meu Lord querido,

todo o carinho, todo o afeto, toda a ternura.
Hoje é dia cinco, madrugada, quase seis, mas finge que ainda é ontem, tá legal?
Você não gosta de aniversariar, sei a razão, mas outra, maior, se impõe: Gosto (gostamos) muito de você.

A amiga,

Vivina.

Lord Broken Pottery disse...

Meg,
Como hoje é segunda-feira, e parece que o ano começou de fato, acho que você não vai se incomodar se eu disser que não lembro de como D. Marise encontrava-se, às vésperas de me colocar no mundo. Já li o que o foi escrito e preciso ir ao Sub Rosa responder.
Grande beijo

Denise,
Esse carinho que os amigos me dedicam, realmente, é o melhor presente que existe. Fico sempre muito feliz em recebê-lo.
Grande beijo

Sibila, querida,
Já estava com saudades. A história do passarinho é adeqüada. A nossa pátria é onde podemos voar.
Obrigado pelo seu carinho.
Grande beijo

Ery,
Concordo com tudo o que você disse. Assino junto.
Obrigado por seu carinho e amizade

Guga,
E logo na segunda. Ano que se preza tem que começar numa segunda.
Grande abraço

Claudio,
Um tango do Piazola, de preferência.
Grande abraço

Ana,
Fôlego na escrita, taí um bom algúrio. A minha pátria é mais que a língua, é o mundo inteiro.
Bom ano pra você também. Como foi de viagem?
Grande beijo

Vivina, querida,
Seu carinho, sempre, me traz emoção. Obrigado por tudo.
Grande beijo

Cristiane disse...

Caro Lord,

De uns tempos para cá cheguei a conclusão de que o melhor lugar do mundo é onde está o meu coração...

Amo nosso país, minha cidade, mas nada exagerado que não aceite mudanças.

Quanto as tatuagens, penso como você: Prefiro o corpo nu.

Lord Broken Pottery disse...

Cris,
Pronto, concordamos com tudo.
Grande beijo procê

Maria Helena disse...

Lord,
Gosto do meu país, e muito. Apesar das dificuldades e problemas que vivemos, sou feliz aqui. Entretanto
sem exageros e fanatismo.
Tenho parentes próximos, que moram muito bem, nos Estados Unidos (Denver/Miami/Orlando/Nova York) confortáveis financeiramente, mas sentem saudades, imensa do Brasil.
Sei que cada um é livre para tatuar
todo seu corpo,mas também sou livre
para achar horrível e de péssimo gosto.
Idade nova?????? Parabéns.
Bjs

Ordisi Raluz disse...

Imagine, caro Lord, que numa dessas fui dar em Lisarb. Qualquer dia lhe mostro o mapa.

Abraços ufanistas.

Lord Broken Pottery disse...

Maria Helena,
Pois é, idade nova, dói um pouco mas a gente acostuma. O espírito do que escrevi é bem o que você tem. A nossa pátria é onde somos felizes.
Grande beijo

Ordisi,
Lisarb? Fiquei curioso. Existe, onde é?
Abração

Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Lord meu amigo!!! Tb arrepio contra tatoos!
Sou bem careta, qnto mais natural, mais chances de ser belo pra mim... sou anti- tatuagens e piercings...

Qnto ao seu post no meu blog, vc quase acertouuuu!!!!! heuaheiu, na verdade eu tenho 1,75 de altura, porém até eu fiz continha errada, deveria ter escrito 1,88, somando a altura do salto!aheueauiehui...
bom vou consertar!!!

grande beijo e feliz 2008 também!!!!

anna disse...

super atrasada, desejo ventos criativos e saúde para seus anos novos:
no convencionado por nós, o 2008
e no particular, só seu, 54!

e lord, 54?
ora não exagere!

Lord Broken Pottery disse...

Polly,
Minha matemática, embora completamente abandonada, ainda serve para alguma coisa.
Grande beijo

Anna,
Exagero não. São cinqüenta e quatro bem vividos embora, da maneira como me sinto, não devessem passar dos trinta. O tempo voa!
Grande beijo

Lidiane Martins disse...

Olha, eu acho tatuagem um charme. Mas é como tu falaste: depende de quem. Esse negócio de tatuar nome, rosto, escrever que tal amor será eterno e coisa e tal... Coisa mais cafona!

Quando ao amor a pátria, eu concordo contigo. Mas por outro lado, tem a individualidade de cada um, né? Penso que é feito religião, drogas ou futebol: cada um acredita, torce, vive do jeito que bem entender, desde não interfira na vida alheia.

Beijo.

Lord Broken Pottery disse...

Lidiane,
Gostei muito de sua visita e já coloquei um link pra visitar o Prossiga. Um beijo, viu?

Lord Broken Pottery disse...

Lidiane,
Gostei muito de sua visita e já coloquei um link pra visitar o Prossiga. Um beijo, viu?

Márcia(clarinha) disse...

Obrigada pelo carinho meu amigo, lembrei de você agora enquanto postava, falo de criança, minha linda netinha Manhã Clara [Maninha] e te juro, ela foi a inspiração,rss
boa noite,
beijos

Lord Broken Pottery disse...

Márcia,
Queria ver você postar sem estar sentada, "logada", com vontade de escrever.
Beijo

Cadinho RoCo disse...

Em consonância com o seu pensar, prefiro tatuar camisetas.
Cadinho RoCo

Lord Broken Pottery disse...

Cadinho,
Sem dúvida uma saída mais fácil. Joga-se mais tarde as camiseta fora. Acao de linkar o teu blog. Obrigado pela visita.
Grande abraço

Ordisi Raluz disse...

Feliz por ter mais um leitor tão especial. Caro Lord, a saga segue. Siga-a. Obrigado.

Abraços seguidos.

lulu disse...

Lord querido,
sabe o que aconteceu? não consigo ficar sem escrever. Voltei.
:-)

Lord Broken Pottery disse...

Ordisi,
Acompanharei essa saga, pra meu deleite, pode ter certeza disso.
Grande abraço

Lulu, querida,
Você não imagina a alegria que você está me dando. Sexta-feira e uma notícia dessas logo cedo, faz o dia lá fora ficar mais bonito.
Grande beijo

Sandra disse...

Se de um lado não temos vulvões, terremotos, maremotos e mais alguns "problemas naturais", de artificiais estamos abarrotados. Sou uma ufanista moderada que ama a língua, as praias maravilhosas, o agito da cidade e não suporta os grandes.. hhhaaammm... "moços" que nos governam e destroem a terra.

Quanto a tatuagem, não gosto. É algo que marca a pele (e não só ela) para o resto da vida. Forte demais. Bom... Convicções religiosas, digamos assim.

Beijos, querido. Obrigada pela força, pelas palavras. Sou igual "mulher de malandro". Acabo voltando.. rssss.

Fernando disse...

Oi, Lord,
sinceramente, nada tenho contra tatuagens, desde que sejam bem feitas e não deformem o visual normal da pessoa. Apesar de que, no meu corpinho, elas não são recebidas.
Mas, considero uma inutilidade, apesar, ou acima, de tudo.
abraços
fernando cals

Fernando disse...

E, pelo visto, e lido nos comentários, cabem os parabéns para a ilustre figura.
Valeu, Lord!
abs
fernando cals

Lord Broken Pottery disse...

Sandra,
Fiquei muito feliz. É muito importante que você continue escrevendo. Você tem sempre muito o que dizer.
Grande beijo

Fernando, meu amigo,
No meu corpinho também não ficariam bem. Obrigado pelo carinho.
Grande abraço

Anunciação disse...

Feliz aniversário,atrasadíssima,eu sei,mas de coração.Feliz 2008.E,quanto ao seu post,tenho a dizer que não gosto de tatuagem como não gosto de depilação definitiva,nem de alisamento eu gosto,por serem ou quase,definitivos.Quanto ao ufanismo,acho que estou velha mesmo;talvez há uns trinta anos atrás eu concordasse com você.Hoje em dia tenho certeza que meu país é o melhor,o mais lindo e que não existe lugar algum em que os passarinhos cantem como aqui.Vai ver é porque não viajei pra esses países maravilhosos cujas fotos dos amigos adoro apreciar.Vai ver é isso.Um beijo.

Saramar disse...

Tenho horror a tatuagens. Para m im, são mutilações e motivo de arrependimento eterno para os bobos que as fazem.

Quanto ao nacionalismo, além de antigo, como você disse, é hipócrita. Os que assim pensam, geralmente passam férias no exterior e não no mato. Ainda mais agora, com doenças antiquíssimas voltando.

beijos

Lord Broken Pottery disse...

Anunciação,
Obrigado pelo carinho, viu? É sempre muito bom ver você por aqui.
Grande beijo

Saramar,
Não chego a ter horror às tatuagens, mas me parecem definitivas demais.
Grande beijo

Blog do Beagle disse...

Sou patriota. Amo minha pátria e não gosto de ve-la explorada por outros. Morar fora daqui deve ser horrível,pois, nunca me sentiria tranquila e integrada. Respeito sem ponto de vista, mas ouso não concordar.
Quanto à tatuagens ... considero violência inexplicável. Um verdadeiro absurdo tingir-se, de forma perene, sem direito ao arrependimento.
Bjkª. Elza

jayme disse...

Qualquer hora, te mando um poemete que fiz sobre o assunto. Também tenho certa reticência em relação a esses por-que-me-ufano-de-meu-país. Quando às tatoos, quem usa diz que acaba viciando. Algo ligado às endorfinas que o processo faz secretar. Eu, hein?

Lord Broken Pottery disse...

Elza,
Tenha certeza que morar fora daqui não é horrível. Quando moramos em países do primeiro mundo, geralmente, convivemos com as facilidades que o desenvolvimento mais avançado proporciona, com a boa educação das pessoas, com tudo o que há de melhor. Recentemente, encontrei uma amiga que ficou cinco meses nos Estados Unidos estudando, levou a filha pequena de três anos. Estava tendo dificuldades em se readaptar ao Brasil. Vinha de uma realidade onde tudo funcionava. A filha ficava em uma escolinha pública, muito melhor do que a particular (R$2.000,00 por mês) daqui. Período integral, com todas as refeições e material didático incluídos. A criança adorou a escola, não queria voltar, retornou falando inglês. A mãe, minha amiga, guiou um carro muito melhor e maiss barato que os nossos, não teve problemas com segurança, foi muito respeitada na universidade em que ficou, sentiu-se no paraíso.
Garanto pra você que pátria é onde nos sentimos bem.
Grande beijo

Jayme,
Desconhecia essa teoria sobre as endorfinas que o processo liberta. Será que elas atacam o cérebro?
Grande abraço

Carlos Octaviano disse...

Aliás, ocorreu-me que as tatuagens, em geral, são parte integrante de uma grande paradoxo: quem as faz quase sempre tem o corpo belo, mas que seria mais belo ainda se completamente nu. Já os corpos que mereceriam ser cobertos por tatuagens (ou outros difarces), normalmente não as têm...

Lord Broken Pottery disse...

Carlos,
Bem pensado. Se considerarmos que, de fato, as tatuagens servem para esconder, você está coberto de razão.
Abraço