quinta-feira, dezembro 24, 2009

Atribulações de Papai Noel

Graciliano Ramos Dez/1939
*
Batida meia-noite, pingados os primeiros minutos de 25 de dezembro, Papai Noel estirou o braço, apertou na parede o botão do comutador, espreguiçou-se e, chateado, bocejando, sentou-se na cama. A luz da lâmpada iluminou-lhe a cara vermelha e raspada, as sobrancelhas brancas, a calva brilhante.
Ainda uma vez aquela obrigação anual e cacete de enfeitar-se, deixar o cômodo apartamento do arranha-céu e largar-se pelas ruas, a oferecer brinquedos aos meninos. Entrado em anos, começava a enjoar-se da profissão: desejava aposentar-se e fazia tempo que pedira um substituto.
Levantou-se, escancarando a boca, exibindo a brancura sã dos dentes postiços. Dirigiu-se ao banheiro, deitou pasta de dente na escova, ficou algum tempo ocupado com a higiene.
Voltou enxugando-se, os beiços contraídos pelo gosto excitante do dentifrício. Tirou o pijama, vestiu a camisa e as cuecas, arreliado, lançando um olhar rancoroso ao calendário que se pendurava por cima da mesa, junto a um crayon de Portinari. Meteu-se na roupa encarnada, ajeitou a gola de arminho ao espelho e calçou as botas, resmungando: por que era que o Estado Novo não lhe suprimia as funções, conservando-lhe os vencimentos?
Enquanto pensava em redigir algumas notas sobre a reorganização do serviço, pregou a barba na cara descontente, arrumou no crânio o chinó, tomou o cajado, foi ao quarto vizinho e atirou às costas o enorme saco cheio de brinquedos. Veio de lá, capenga e corcunda, apagou a luz, saiu, trancou a porta, encaminhou-se ao elevador. O ascensorista, incomodado, àquela hora da noite, desceu-o rosnando.
Papai Noel pisou na calçada e, batendo solas no asfalto, andou em muitos bairros, entrou em muitas moradas, distribuindo convenientemente os objetos que levava.
Às criança ricas ofereceu bicicletas, álbuns de figuras, cavalos de rodas, bonecas falantes, automóveis e estradas de ferro em miniatura; às pobres deu espingardas de folha, apitos, balãozinhos, cornetas, bolas de borracha e outras miudezas da casa de CR$ 4,40. E todas as crianças ficaram satisfeitas: porque as primeiras não saberiam brincar com espingardas e cornetas, as segundas teriam receio de sujar os cavalos e os livros de figuras. A distribuição era razoável: não prejudicava hábitos adquiridos, não atentava contra a natural diferença que há entre os meninos, não estabelecia confusão no espírito deles.
- Porque enfim, refletia Papai Noel, apitos e gaitas valem uma fortuna para o garoto que não possui nada; automóveis e estradas de ferro pouco interesse despertam no pequeno que tem um quarto cheio de trapalhadas semelhantes. Assim, o que devemos fazer é dar coisas preciosas aos indivíduos que não precisam delas e deixar trastes sem valor aos necessitados. Acho que há muita sabedoria nisto.
*
trecho de Atribulações de Papai Noel, extraído do livro Linhas Tortas, Record, 10a Edição, 1983

17 comentários:

dade amorim disse...

Uma ótima leitura para o Natal, Lord. A ironia cai muito bem nessa época.

Um Natal e um fim de ano dos mais felizes pra você e todos os que você ama.

Beijo!

Aninha Pontes disse...

Perfeito!
Muitas vezes aquilo que me faz feliz, não interessa nadinha à outros.
É assim. Papai Noel é sábio.
Beijos querido.
Que o próximo ano seja de grande esperança e um ano de muita luz e sucesso para você.
Beijos para Cordélia e Mário.

denise rangel disse...

O Natal tornou-se uma data deprimente, devido à obrigação de se presentear,mesmo sem condições financeiras,a toda a família; e de se reunir, hipocritamente, quando, na verdade, isto não acontece ao longo do ano.

Que o ano de 2010 a humanidade seja mais autêntica, mais sincera, menos egoísta e mais solidária.

Sonhos? Não, esperança.

abraço, garoto

Adelino P. Silva disse...

Ricardo, muito grato pela lembrança.
Tudo de bom para você e familiares neste período natalino e final de ano. Que tenham um ano de bastante inspiração, saúde, paz, harmonia, concórdia e reencontros.
Um grande abraço do
Adelino
PS - Problemas "técnicos" felizmente que não de ordem física, impediram-me de voltar à rotina bloguense, por isso a paradinha, uma pausa que refresca...
Abs

Janaina Amado disse...

Primo querido, o texto é ótimo, havia me esquecido dele. Um beijo grande, nesta despedida de 2009.

Lord Broken Pottery disse...

Dade,
Concordo com você. Em alguns momentos só mesmo sendo irônico.
Beijo grande

Aninha,
Todo o meu carinho pra vocês em 2010.
Beijo grande

Denise,
Resuminso, que a hipocrisia fique em 2009.
Beijo grande

Adelino,
espero que os problemas técnicos tenham se resolvido.
Grande abraço

Jana, querida,
Também tinha esquecido. Foi bom reencontrá-lo.
Beijo grande

valter disse...

Caco,
passando pro abraço especial.
Feliz dois mil e dez.
Beijo, mano

Lord Broken Pottery disse...

Valter, mano querido,
Sempre legal ter notícias suas. Feliz 2010 pra você também.
Beijo grande

Ery Roberto Correa disse...

Lord, felizmente estamos em Janeiro!

As hipocrisias não acabam, elas apenas se desconcentram. Pelo menos não as vemos todas em um mesmo "lugar". Agora é voltar ao trabalho e tocar a vida.

Que essa tocada seja suave e melodiosa.

Deixo meu fraterno abraço, agradecendo-te pelas palavras doces que sempre me deixas lá no blog.

Feliz e profícuo 2010, meu amigo.

Blog do Beagle disse...

Lord, já passamos pelo natal, felizmente. Já começamos a andar pelo 2010 e loguinho meu ano novo começa. Ah ... em 17 de março, visse? Fique bem, por favor e continue nos brindando com esses escritos maravilhosos de sua lavra ou de sua escolha, como esse Pai Noel muito sábio!!! Bj. Elza

Aninha Pontes disse...

Querido Caco:
Venho aqui acompanhada de todos da família, para trazer nosso beijo pelo aniversário.
Que mais esse ano de experiências, seja de muita sabedoria e discernimento prá você.
Que muita alegria e risos acompanhem você no decorrer de mai esse novo ano.
Um beijo muito especial de todos nós.
Parabéns!!!

Lord Broken Pottery disse...

Ery, meu amigo,
Agradeço muito a sua amizade.
Grande abraço

Elza,
Prometo tentar estar mais presente em 2010.
Beijo grande

Aninha,
Dê um beijo em toda a comitiva.
E outro especial pra você!

Luma Rosa disse...

Sempre achei que papa Noel não poderia ser humano; como estar ao mesmo tempo em várias casas? Uma ótima história para contar as crianças crescidas!!

*Que seria de nós sem a crença nos mitos?

Foi seu aniversário outro dia, né? Felicidades!! Beijus,

james emanuel disse...

Bela aula.

Prazer imenso!


Um abraço.

Blog do Beagle disse...

Fiquei sabendo do seu aniversário, HOJE. Bom ... claro que estou muito sem graça de lhe enviar votos fora do prazo, mas ... ao mesmo tempo ... e com toda cara de pau que eu possa ter ... acho que é uma forma de vc continuar a comemorar, certo? Pois então: feliz ano novo, meu caro. Feliz aniversário que inicia seu ano de verdade. Muita capacidade para realizar sonhos, tá? Bjkªs. Elza

Lord Broken Pottery disse...

Luma,
Obrigado pela presença e pelos cumprimentos.
Beijo grande

James,
Bom te rever, ou ler novamente.
Grande abraço

Elza,
Muito obrigado pelos votos. É muito bom ter a sua amizade.
Beijo grande

Maria Helena disse...

Lord
O cansaço, os problemas, as catrástofes, a rotina, não nos permite ver o natal sem tristezas.
Entretanto é uma bela data,
significativa,que todos esquecemos.
Bjs