terça-feira, maio 27, 2008

Smell

Sou dos que vai atrás de seus direitos, sem orgulho. Se posso receber salário desemprego, por exemplo, verifico o que preciso fazer, faço.
Essa semana andei de metrô. Ando sempre, mas cumpri um trajeto mais longo, com troca de trens, baldeamento para linhas diferentes, distantes. Sentado, raramente o faço pois sempre desço logo, minha vida acontece entre estações próximas, ia quieto, resignado, em busca de um passe grátis para trabalhadores demitidos. Com ele poderei andar três meses sem pagar, achei razoável .
E então o passado entrou por minhas narinas. Uma fragrância que nunca mais tinha sentido insinuou-se, invadiu meus sentidos. Revi, dentro daquele vagão, sem mais nem menos, minha infância no Rio de Janeiro. Eu menino, no apartamento de meu bisavô Américo, no bairro do Flamengo. A manhã chegando ensolarada, minha tia-avó Helena entrando no quarto para me acordar, o café da manhã gostoso esperando. Rindo, feliz, carinhosa com o sobrinho-neto ali hospedado. Eles sempre me cobrindo de cuidados amorosos. E, com a presença dela, aquele mesmo perfume que agora sentia, no meu caminho estranho, inundava o ambiente e meu início de dia, férias escolares. Percebi-me, talvez pela fragilidade do momento que vivia, aquela viagem inusitada, mais emocionado que de costume. Alguém, quem sabe aquela senhora de vestido florido, preparando-se para desembarcar, estava usando Leite de Rosas.

44 comentários:

ana v. disse...

Ah, a memória olfactiva é tão poderosa! Pode transportar-nos para uma infância feliz, dentro de um metro apinhado de gente... basta um perfume, e zás!, a Máquina do Tempo a funcionar na perfeição!

Welcome back, meu amigo. Com memórias de infância ou não, queremos muito tê-lo de volta.
Um beijo

Anunciação disse...

Parece mágica.Você falou e eu senti imediatamente o perfume.Querido Lord,que saudade!Um grande abraço.

denise disse...

Uau.Ricardo nas paradas!
Muito bom estes momentos de volta ao passado. Sabe que, toda vez que ando de metrô, me lembro de você me dizendo que é no meio do povo que estão as melhores histórias? Pois, é, saiu da toca, lá vem história, hehe.
abraço, garoto

peri s.c. disse...

Esses mergulhos nas boas memórias são poderosos.
E lindos.
Grande abraço.

Aninha Pontes disse...

Essas lembranças nos faz sentir vivos, nos faz pesar as coisas vividas e que estamos vivendo.
As vezes chegamos a conclusão que a felicidade é algo simples, e a simplicidade faz parte dela.
Um beijo grande e nosso carinho.

Saramar disse...

Fiquei emocionada com sua sensibilidade, em meio ao prosaico cotidiano de um "desempregado".
Grandes almas, grandes lembranças.
Admirável!

beijos
P.S. Ando mal educada demais, sem visitar os amigos. Mas, é o tempo e dois trabalhos simultâneos. Por favor, perdoe-me.

Lord Broken Pottery disse...

Ana, querida,
Acho que já voltei.
Beijo grande

Anunciação,
Fiquei muito feliz em ver você por aqui. Tenho-lhe muito carinho.
Beijo grande

Denise, querida,
Acho que é mais ou menos isso, eu aqui nas paradas, começando a olhar para os lados, redescobrindo as histórias. Que bom!
Beijo, garota

Peri, meu velho,
Põe poderoso nisso!
Grande abraço

Aninha, minha irmã,
Não sei se a felicidade é simples mas, sem dúvida, está em muitas coisas relacionadas com a simplicidade. Bom falar com você. Dá um abração no meu mano.
Beijo

Saramar,
As nossas ausências cotidianas são menos questão de educação e mais de possibilidades. Não se preocupe, amiga.
Grande beijo

Anônimo disse...

Caco, Caco,

posso te dizer que adoro te ler, além de te adorar?

Beijo e carinho

Vivina.

Maria Helena disse...

Lord,
belo retorno.
Uma palavra, um cheiro, uma música nos transporta ao passado. Momento mágico.
Bjs

Marcio Gaspar disse...

a memória olfativa é realmente 'uma coisa'! e ela está lá, mas a gente não sabe. quando se é invadido e se percebe, o momento é de felicidade pura.

GUGA ALAYON disse...

Tb acho incrível esta gavetinhas do passado que se abrem com um simples "esmélio".E são sempre lembranças boas, como quase disse o Márcio.
Sempre me recordo do "o perfume" do Sunskind
abraços odorizados

anna disse...

cheiro saudoso da minha infância.
eram mulheres bem queridas que usam aquela fragrância.

quanto ao seu momento, só posso dizer que está passando como um verdadeiro lord.
creio que nenhuma situação é maior que nós mesmos.

jayme disse...

É incrível como o olfato nos faz viajar, a memória olfativa é muito poderosa. Somada à memória afetiva, emociona mesmo. Abração,

Vivien Morgato : disse...

Trabalhei em uma escola onde fizemos muitas feiras "alternativas"...uma delas, eram diferentes ambientes que representavam as relações das pessoas com diversos elementos. A sala de biologia era a relação com a natureza, cheirava floresta, tinha som de pássaros; um dos laboratórios eram as relações amorosas, perfumada de forma adocicada e sensual; a minha sala - a sala de História - eram as relações familiares....com um cenário de casa de avó, cheirava café.;0)
Foi demais.
beijos.

Sibila disse...

Lord,
é tão gostosa essa sensação de ser lançado involuntariamente e num momento não tão acalentador, para os braços felpudos de um passado amoroso. O incosnciente - será que é isso mesmo(?) - às vezes nos prega essas boas peças. Adorei todo o contraste. Bjs.

james emanuel disse...

Lindo texto.

Minha avó usava...
Não sabia que ainda estava no mercado.


Um abraço.

adelaide amorim disse...

O olfato nos leva longe no tempo, marca certos momentos da vida, restitui alegrias ou tristezas, às vezes com mais fidelidade que um rosto conhecido.
Bem-vindo, Lord! Que bom vê-lo de volta! Uma boa semana.

Claudio Costa disse...

Seu texto evocou-me Em busca do tempo perdido (M Proust), quando sorveu chá com madeleines... reminiscências... por acaso, o tema de meu último post. Abração.

Lord Broken Pottery disse...

Vivina, querida,
Estamos quites. Também adoro te ler, além de te adorar. É claro, porém, que essa declaração assim pública, me deixou um pouquinho vermelho: “sou timidis”.
Beijo grande

Maria Helena,
Essa percepção da força, realmente mágica, que os cheiros têm, às vezes ainda me assusta.
Beijo grande

Marcio,
Você tem razão. Misturam-se, nesse caso, felicidade e nostalgia em doses muito parecidas. É muito legal quando acontece.
Grande abraço

Guga,
É mesmo! Bem lembrado...Só fiquei desconfiado com essa coisa de abraço odorizado.
Abraço inodoro

Anna,
A percepção que tenho, nessa fase de minha vida, é de que algumas vezes, as situações nos diminuem muito, deixando-nos pequenininhos.
Grande beijo

Jayme,
Foi como me senti, logo após o susto da recordação extemporânea: emocionado.
Grande abraço

Vivien, querida,
Lindo! Muito bacana associar-se perfumes aos ambientes. Legal essa alternatividade.
Beijo grande

Sibila,
Tenho trabalhado muito, ultimamente, o inconsciente. Será que é ele que nos lança? Talvez seja. De qualquer forma, a imagem dos braços felpudos de um passado amoroso é forte, gostei.
Beijo grande

James,
Pois é, desde 1939. Antes de escrever pesquisei para saber se ainda existia. Queria ter certeza de ter sentido o cheiro do mesmo perfume. Só mudou a embalagem. Agora é de plástico, o que daria um outro post.
Grande abraço

Claudio,
Sua percepção me emocionou. Depois que escrevi, e fui reler, tive a mesma sensação. Como sou um apaixonado pelo Proust, imagino-me sempre velhinho relendo “Em Busca do Tempo Perdido”, talvez tenha sido, sim, influenciado. Nesse caso, involuntariamente, prestei homenagem a um de meus escritores favoritos.
Grande abraço

Silvares disse...

Literatura é uma benção. Você foi abençoado. E nós, que o lemos, partilhamos essa felicidade.Nunca deixe de vir aqui fazer estes pedaços de céu.

Lord Broken Pottery disse...

Silvares, meu amigo,
Puxa, voce me envaidece! O melhor de tudo é sabermos que temos gente amiga, que gosta de nos ler.
GRande abraço

Meg (sub rosa) disse...

Queriiiiido Lord!
Volto já aqui.
Viva!!!!
Ai, estou tão nervosa de alegria.
Beijos, volto logo!
Meguita
Oba!oba! oba!
Ler o Lord: parece um sonho

ery roberto disse...

Lord, quem disse que textos não tem cheiro? Este prova a todo mundo que eles têm. Estou com Adelaide: assim como um bom livro e uma música (ah, esta é poderosa!), os aromas nos transportam pelos meandros do tempo, trazendo-nos de volta lugares, situações e principalmente pessoas. Um perfume, reputo, tem tanto poder para tanto, como a canção mais marcante. Belo post, Lord, digno de você. Forte abraço.

Sandra disse...

Essas lembranças, assim, me dão uma certa tristeza por não ter mais muitas das coisas que eram importantes para mim. Mas ainda bem que existiram. Muito bonito seu post.

Beijos

Meg (sub rosa) disse...

Eu não acredito:
Voltei aqui e comentei. Agora venho ver, não está, perdi...
Mas vou dizer o mesmo com forma diferente:
=-=-=-=-=
Lord, Não sei se é um poder ou uma fragilidade, mas não somos *agentes* dessa sensação. E é ela que nos invade, é ela que nos assalta.
Como diz o Ery, música, odores, cenas, um timbre de voz...
Não decidimos: viajamos, somos levados de carona na evocação.

Mas, o mais importante é que isso pode acontecer com todos, agora o saber transformar isso em texto de fruição literária, só mesmo para os que têm dom de viajar e na volta dividir o espólio do revivido,
Como diz o Silvares, a bênção, o dom, os pedaços de céu, ou de qualquer outra coisa. Enfim a mesma magia de sempre.
É por essa partilha que quero agradecer e dizer o quanto estou feliz.
A Vivina tem absoluta razão: é impossível menos que adorar esses textos mágicos, esses recortes de vida.

Beijos, muitos beijos para o Amigo querido e mais dois outros: um para Lady C. e outro para Vivina.

P.S. Só saio daqui quando me certificar que o comentário ficou, entrou etc;-)))

carol disse...

Você deve ir atrás de seus direitos com muito orgulho, isso sim. Já há gente demais deixando barato.
Desbravar novos caminhos é um desafio e tanto. Sorte pra ti nesta nova jornada :¬)
Que bom que voltou a postar.
Beijo, Lord.

Nelsinho disse...

A Meg me disse e eu vim aqui, pela primeira vez, constatar que acabamos de postar na mesma linha de pensamento: Cheirinho de mulher! Diferem as fragrâncias, mas coincidem os motes...

Voltarei mais vezes.

mariilia jackelyne disse...

Muito legal essa coincidência sua com o Nelsinho. Fiz um post pra vocês lá em casa.
=)
Gosto muito daqui, embora sempre visitasse em silêncio...

Mário disse...

Uma das coisas que mais me impressionam na mente humana é a chamada memória olfativa. Acho que todos já passaram por situações semelhantes. É mesmo de emocionar quando somos atropelados por um aroma do passado e fazemos verdadeira viagem até àquele tempo de outrora. Bom fim de semana!

Fernando Zanforlin disse...

As tias-avó deveriam ser eternas, lembro-me de férias, fazenda, Santa Luzia, café da manhã no seu cheiroso fogão de " fogo de pau".
Obrigado pela carona , Hot Pottery Lord
ab.

Lord Broken Pottery disse...

Meg, queridíssima,
Seria um Sonho de Valsa? Então ler o Lord engordaria.
Beijo grande

Ery, meu amigo,
Você tem razão. Lembremos o nosso Paulo Coelho, de quem falávamos outro dia. Sempre que tento ler o que ele escreve, penso comigo mesmo, antes de interromper a leitura: “Isso aqui não está me cheirando bem!”.
Grande abraço

Sandra,
Entendo você. Também fico triste, até por ser mais velho. Todas essas coisas, essas da memória, olfativa ou não, a maioria delas, já não está mais aqui. Hoje são apenas saudade.
Beijo grande

Meg, querida,
Pronto, o comentário ficou, para me deixar envaidecido. Você tem o dom de me envaidecer, sabe ser amiga. Só posso agradecer, não é mesmo?
Beijo grande, viu?

Carol,
O problema de desbravar, de ser pioneiro, muitas vezes, é que acabamos levando flechadas. De qualquer maneira, às vezes, não existe outra maneira de sobreviver.
Agradeço o seu carinho.
Beijo grande

Nelsinho,
A Meg, como sempre, tinha razão. Já fui te visitar, coloquei um link ao lado pra facilitar o ir e vir, e comprovei. Provavelmente tivemos algum tipo de identidade internética. No caso, talvez, seriam bits e bytes carregados de memória e percepção olfativa.
Grande abraço

Mariilia (é mesmo assim, com dois ii?),
Venha sempre e faça muito barulho. Às vezes isso aqui fica muito quieto e silencioso. É necessário que gente inteligente faça alarde. Obrigado pela visita. Como faço para ir à sua casa? Vou ver se acho lá na Meg. Depois linkarei você.
Beijo grande

Mário, meu velho amigo,
Ver você por aqui é sempre uma alegria para mim. Talvez você não tenha a dimensão do apreço que lhe tenho. Agora fiquei contente.
Grande abraço

Fernando,
As tias-avós, as nossas, pelo menos, são, sim, eternas. Essas lembranças todas cheiram muito bem.
Grande abraço

marilia jackelyne disse...

Mesma coisa que disse ao Nesinho:
como convidar a ir a nossa casa e não deixar o endereço?!
Obrigada pelo esforço em me achar...
E também pelo link.
Voltarei mais vezes e sem silêncio...

Abç

marília

aindapodiaserpior.blogspot.com

perdidinha... disse...

espero que esteja tudo mais tranquilo e que vc continue forte. esses obstáculos inesperados da vida as vezes vêm pra nos mostrar o quanto somos fortes, porém, sensíveis, e nem sabíamos.
beijocasssssssss e saiba que estou torcendo por vc.

ps: o cheiro que lembra minha infância é leite de colônia, sabonete alma de flores e talco promessa.rs... uma lembrança maravilhosa da minha avó querida. aiai.

Meg disse...

Hahaha!
Lord, essa Marília é mesmo uma danadinha.;-)
É um amor e claro, claro que ela e o Nelson tinham de vir aqui.
Eu não achei assim propriamente uma coincidência.
Mas que há uma ligação *ODORIZADA* ou odorizante (ah esse meu querido Gugala, hahahah)ah isso há.

É que eu logo arranjo uma coisa para deixar meus Amigos queridos conectados.
Rememoração e memória dos sentidos, no caso dele.
Memória dos sentimentos , no seu caso.
MARÍLIA

Muitos beijos. O de Lady Cordélia nem preciso lembrar.
A-do-ro essa caiza de comentários..ops.. esta saleta de conversa:-))). A-do-ro

Adelino disse...

Gostei, Lord. Leite de Rosas...
Ainda existe.
Abraços, e bom fim de semana.

Huckleberry Friend disse...

Caro Lord, por aqui se vê que a madalena de Proust também anda de transportes colectivos... comovente evocação, um abraço!

Blog do Beagle disse...

Adoro cheiros. Adoro voltar ao passado. Bjkª. Elza

Blog do Beagle disse...

Adoro cheiros. Adoro voltar ao passado. Bjkª. Elza

Diego Viana disse...

Lord,

Sempre fico impressionado com a força do cheiro. Às vezes, sem razão aparente, estou andando na rua e um cheiro que nem consigo identificar me remete a épocas mortas. Belíssimo texto!

Abraço
Diego

PS: O endereço do Para Ler Sem Olhar mudou. O atual está no link com meu nome.

Lord Broken Pottery disse...

Marilia,
Não foi esforço e valeu à pena. Volte, sim, muitas vezes.
Beijo

Perdidinha,
Hoje, particularmente, não estou em um dia dos melhores, mas tenho conseguido tocar o barco mais ou menos bem. Os cheiros por você enumerados também me despertam carinho.
Beijo grande

Meg,
Ler o que você escreve, receber sua visita, é sempre uma alegria para mim.
Beijo grande

Adelino,
Sabia que você gostaria. Sempre que leio as coisas que você escreve percebo carinho pelas coisas da memória, não importa se ela nos visita em forma de perfume.
Grande abraço

Huck,
É claro que o Proust, jamais, encontraria madalenas em transportes coletivos. Não consigo imaginar Proust em um transporte coletivo brasileiro.
Grande abraço

Elza ,
Eu também. Tem coisa melhor?
Beijo grande

Diego,
Obrigado pela visita. Retribuirei, deixarei um link ao lado para poder te visitar mais facilmente.
Grande abraço

Anônimo disse...

Estimado Lord,
Teus leitores podem pedir
uma dedicatória tua?
Quero estar lá para levar-te
meu CD como presente.
Um grande abraço.
J.Fernandes

maria guimarães sampaio disse...

Lord Caco,
quanta emoção!
Lindo mesmo.
Beijo
Maria

Lord Broken Pottery disse...

Maria, querida,
Muito bom ver vocÊ por aqui. Preciso, urgentemente, retribuir a visita nos conformes.
Beijo grande

Kay disse...

Muito bonito!