quinta-feira, junho 21, 2007

Taxi!

Ela é rica, muito rica. Tem personalidade forte, emite opiniões e as defende com ardor. Nasceu para discutir. Há algum tempo desistiu de andar de carro. Vendeu a Mitsubishi:
- Basta uma pirua lá em casa!
Passou a andar de taxi. Como tudo o que faz considera bem feito, por princípio, não houve arrependimento. Descobriu que podia ser livre. Sai na hora desejada sem preocupar-se com o estacionamento, pode tomar seus pilequinhos pois não vai dirigir:
- Minha vida ficou mais simples!
Quando precisa chama um carro pelo celular ou, como faz geralmente durante o dia, acena para o primeiro que vai passando. E pode exaltar-se à vontade:
- Brigar com taxista virou um de meus prazeres.
Outro dia tomou um na Oscar Freire. Sentou-se, acomodando as compras, e pediu que a levasse na 9 de julho. O motorista pediu que lhe ensinasse o caminho:
- Como? Pare que eu vou descer. Se você não conhece rua tão famosa é amador, não serve para mim.
Diz que não precisa mais de analista. Resolve seus problemas armando barraco indo da loja para o cabelereiro, da academia para casa, do cinema para a festa. Se o infeliz que dirige o taxi fuma, pede para apagar o cigarro, se corre, manda ir de vagar, se não tem ar-condicionado, reclama que está calor, e se tem, pede para desligar. E assim desopila o fígado. Quando o assunto é política, espera o coitado falar primeiro para poder ser contra depois.
E é distraída. Por não se preocupar com o mundo está sempre longe, pensando no que lhe interessa, sonhando com as maravilhas que pode ter, sem dar atenção ao que acontece em volta. Outro dia, saindo da Daslu carregada de sacolas, caminhando em direção ao taxi que deixara esperando, foi abordada por um mendigo. Com ar miserável o pobre homem falou que estava há quatro dias sem comer. Ela olhou para ele com ar incrédulo e exclamou:
- Meu Deus, como eu gostaria de ter sua força de vontade!

27 comentários:

Van disse...

Simples assim???????

Lord,
Que crônica adorável!
Não a personagem... A crônica.
Ahhh, esses vazios....

E obrigada por assinar meu guestbook.
Adorei. Faltou apenas sua foto. ;)

Beijos, querido.

valter ferraz disse...

Lord,
mas que pirua sacana essa!
Ah! se ela esbarra com a turma do Boka, tá lascada. Êles adoram apavorar um pirua dessas.
Preciso muito falar com o Boka, é bem capaz de êle mandar fazer uma campana. Daslu, hein? Muito bom.
Abraço grande

Cristiane disse...

Oi Lord, boa noite!

Muito boa essa crônica, mostra toda a realidade desse tipo de mulher, ou homem, pois conheço homens assim...rs

E acho-os totalmente dispensáveis como diz uma grande amiga...rs.

Um bom fim de semana, beijo,

Cris

Maria Helena disse...

Lord,
essa é sem dúvida uma pirua, perfumada, pirada, peralta, fazendo pirraça, sem perdão.
hehehehh...
Bjs
Maria Helena

Mani disse...

E Ela se chamava Maria Antonieta???

marilia disse...

Oi lord.
há muito venho tentando chegar aqui... até a aninha me passar seu site, pq não conseguia entrar!
copiei seu site,mas não entava ...acho que é minha segunda chance, e tenho que concordar ... cronicas ótimas...
-saindo da daslu, encontrando um mendigo, e falando o que falou...ah, deve ser muito amiga da ministra paulista...rsss
prazer adentrar em sua casa!

Eliana disse...

ehehehehehehe

O Meu Jeito de Ser disse...

Pois é Lord, e pensar que estamos cercados dessas piruas, elas fazem questão de se mostrar em todos os lugares.
Nem percebem que incomodam demasiadamente, o que querem é sempre se mostrar.
E são tão pobres!
Um beijo

Lord Broken Pottery disse...

Van,
Eu é que agradeço seu carinho.
Beijão

Valter,
O Boka ia ter muito trabalho. Está cheio de gente como ela.
Abração

Cris,
Gostei do dispensáveis.
Beijão

Maria Helena,
Tudo com "p"? Puxa!
Beijão

Mani,
Era parente distante da Maria Antonieta. Depois pediu para o mendigo comer brioches.
Beijo

Marilia,
Eu é que agradeço o carinho. Já vou retribuir a visita.
Grande beijo

Eliana,
Beijão pra você.

Aninha,
É isso. São pobres naquilo que o dinheiro não compra, quase tudo que é importante.
Beijão

marilia disse...

Venho agradecer o link..
vc é muito gentil, e eu tô até contatando "fessô" particular pra me ensinar os recursos básicos de um blog... ta danado, né??? rssss
estou lendo umas coisas ai pra baixo...estou adorando...
abraços!

Lord Broken Pottery disse...

Marilia,
Obrigado. Você é que é muito gentil.
Beijão

Serbão disse...

eu virei fã da perua!!!
imagina ela parada no semáforo, aí vem um menino de rua bater no vidro:
"me dá dinheiro pra comprar um doce, tia?"
aí ela:
"não dou não, depois você não janta"...

peri s.c. disse...

Uma vez a cada 15/20 dias, absolutamente necessárias.

Eduardo P.L. disse...

Lord, preciosa crítica social, com ares de crônica mundana! Parabéns!

Lord Broken Pottery disse...

Serbão,
Ótima! Pegou bem o espírito da coisa.
Abração

Peri,
Não entendi seu comentário.
Abraço

Eduardo,
Obrigado, amigo.
Abração

Vivien disse...

Lord : isso é o que dá ser leitora assídua...eu me lembro deste post!
Foi bom reler, beijos.

Anônimo disse...

uma maria antonieta tupiniquim e com pedigree.
bom prá ela que a justiça anda cega e vagarosa por essas bandas.
anna

Ery Roberto disse...

Lord, retrato absolutamente bem enquadrado, perfeitamente em foco, com uma profundidade de campo que destaca a personagem principal, que, aliás, é apenas um exemplar de tantas da mesma espécie existentes por aí. A futilidade não sai de moda e a prática do "vazio" parece uma epidemia. Por existir tanta gente com características semelhantes é que fomos todos parar neste poente social donde parece não haver mais esperança em outro alvorecer. // Mudando de assunto, você é o grande homenageado do meu post de hoje. Com merecimento e devoção das crianças. Forte abraço.

adelaide amorim disse...

Você pintou a figura com tanta precisão e competência que acabei a leitura com raiva dela - veja você do que a palavra é capaz! Grande abraço, Lord. Gosto muito de seu blog e de suas visitas.

Lord Broken Pottery disse...

Vivien,
Às vezes, por absoluta falta de tempo, reedito postagens antigas, não comentadas, do ano passado. Legal sua atenção.
Beijão

Anna,
Apenas uma pessoa igual, infelizmente, a muitas outras.
Beijão

Ery,
Muito bem colocado, preciso, e bonito o termo poente social. É onde sinto que estamos. Obrigado pela homenagem, irei lá ver.
Abração

Adelaide,
É recíproco. Também gosto muito do seu. Obrigado pelas palavras gentis.
Beijãp

Meg disse...

Deliciosa e absurdamente cruel.
Imagino que há muitas pessoas assim.
Um beijo, milord

Meg (Sub Rosa) disse...

Ah! hahahah
E eu acho que entendi sim o comentário do Peri.

(Nada airoso) por sinal
Para usarmos uma das palvaras que estão entre as que gostamos.;-))

Mais um beijo
Meguita

Lord Broken Pottery disse...

Meg,
Deve haver, deve haver. Você adivinhou, gosto mesmo da palavra airosa.
Beijão

Anônimo disse...

Vim aqui ler a continuação do conto escrito a mil mãos e comecei a ler os outros posts, tô adorando!

Abraço.


Janaína

Lord Broken Pottery disse...

Janaína,
Fique à vontade, a casa é sua.
Beijão

Frou disse...

Adorei!

Lord Broken Pottery disse...

Frou,
Não consigo encontrar o seu blog. Queria colocar um link, poder te visitar. Obrigado pelo comentário.
Beijo